Moscou anuncia acordo nuclear com os EUA

Moscou anuncia acordo nuclear com os EUA

Tratado para reduzir arsenais substitui o Start, assinado após queda do Muro de Berlim; Obama e Medvedev firmarão pacto em Praga

Philip P. Pan, Mary Beth Sheridan, O Estadao de S.Paulo

25 de março de 2010 | 00h00

THE WASHINGTON POST / MOSCOU

A Rússia e os EUA chegaram a um acordo definitivo para reduzir seus arsenais nucleares e substituir o Tratado de Redução de Armas Estratégicas (Start, na sigla em inglês). A informação foi anunciada ontem pelo Kremlin. O presidente americano, Barack Obama, e seu colega russo, Dimitri Medvedev, deverão assinar o novo pacto em maio, durante um encontro em Praga.

"Todos os documentos relativos ao novo tratado já foram acertados", afirmou Alexei Pavlov, porta-voz do governo russo. De acordo com ele, os dois presidentes pretendem discutir os detalhes "em um futuro próximo".

O desfecho das conversações em curso em Genebra, na Suíça, surgiu após quase um ano de barganhas intensas entre as duas potências. Juntos, americanos e russos possuem mais de 90% de todas as armas nucleares do mundo.

Números incertos. O governo Obama está se preparando para receber uma grande cúpula sobre segurança nuclear em Washington, no próximo mês. Há cerca de um ano, o presidente americano disse em uma conferência da Otan em Praga que buscaria eliminar todas as armas nucleares do mundo.

Pavlov não quis discutir os detalhes do novo tratado, mas os negociadores haviam previamente acertado reduzir o número de ogivas nucleares do teto atual de 2.200 para entre 1.500 e 1.675. Novos limites sobre os números de bombardeiros e dos mísseis capazes de carregar as armas nucleares também são esperados.

Em Washington, autoridades americanas diziam apenas que os dois lados estavam perto de um acordo, mas não confirmavam a informação revelada pelo Kremlin.

"Eu disse, em diversas ocasiões, que estamos fazendo grandes progressos para obter um acordo. Nós estamos, eu penso, muito perto de obter um acordo sobre um tratado Start, mas não teremos um até que o presidente Obama e seu colega Medvedev tenham a chance de conversar novamente", disse o secretário de imprensa da Casa Branca, Robert Gibbs. "Acho que eles conversarão nos próximos dias."

Assinado pelos líderes George H. W. Bush e Mikhail Gorbachev, no início dos anos 90, o Start expirou em dezembro e desavenças entre Washington e Moscou impediram a conclusão de um tratado a tempo de substituí-lo.

PARA ENTENDER

1.

O que é o Start?

Acordo bilateral assinado por EUA e União Soviética para a redução de seus arsenais. Assinado em 1991, após o fim da Guerra Fria, o pacto entrou em vigor em 1994. Ele limitou o uso de 6 mil ogivas para cada lado e reduziu para 1.600 o número de mísseis balísticos de longo alcance para os dois países.

2.

Por que a necessidade de um novo acordo?

O Start expirou em dezembro. Uma das promessas de campanha de Obama é a de eliminar os arsenais nucleares do mundo. Para a Rússia, um novo acordo é interessante para eliminar armamentos obsoletos. Ambos os países esperam que o novo tratado sirva como exemplo para inibir a proliferação nuclear.

3.

O que prevê o texto do novo tratado?

Ainda não se sabe ao certo os detalhes do novo acordo - Obama e Medvedev se reunirão em breve para discutir o assunto. Até agora, o que foi divulgado é que russos e americanos reduziriam o número de ogivas nucleares operacionalmente instaladas para algo entre 1.500 e 1.675 de cada lado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.