AP Photo/Alastair Grant
AP Photo/Alastair Grant

Moscou expulsará diplomatas britânicos em breve, diz chanceler russo

Medida é uma retaliação à decisão do Reino Unido de expulsar 23 representantes em razão do ataque químico contra um ex-espião; imprensa russa acusa premiê britânica de ‘envenenar’ relações entre Reino Unido e Rússia

O Estado de S.Paulo

15 Março 2018 | 09h10

MOSCOU - A Rússia expulsará diplomatas britânicos em breve, disse o ministro das Relações Exteriores do país, Serguei Lavrov, nesta quinta-feira, 15. A medida é uma retaliação à decisão do Reino Unido de expulsar 23 enviados de Moscou em razão de um ataque químico contra o ex-agente duplo russo Serguei Skripal.

+ Quem se beneficiaria com a morte do ex-espião russo Skripal?

+ Governo britânico alerta para intimidações a ingleses na Rússia na Copa

"A posição do lado britânico parece absolutamente irresponsável", declarou à imprensa o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, acrescentando que as medidas de resposta "naturalmente não se tardarão". "A decisão será tomada pelo presidente (...) e não há dúvida de que ele escolherá a versão que melhor atenda aos interesses da Rússia", disse Peskov.

+ Rússia diz que é inocente no caso de ex-espião envenenado e pede acesso a agente químico

+ Reino Unido dá ultimato para Rússia explicar envenenamento de ex-espião

O ministro das Relações Exteriores britânico, Boris Johnson, intensificou a retórica contra a Rússia, acusando o país de se orgulhar do ataque contra o ex-espião, que descreveu como uma maneira de assustar qualquer um que enfrente o presidente russo, Vladimir Putin.

O Reino Unido acusa Moscou de ser responsável pelo envenenamento de Skripal, de 66 anos, e de sua filha, Yulia, de 33 anos, por meio de um agente neurotóxico conhecido como Novichok. Os dois foram encontrados inconscientes no dia 4 de março na cidade de Salisbury, no sul da Inglaterra, e permanecem hospitalizados em estado grave desde então.

A Rússia dispunha até agora de 59 diplomatas credenciados no Reino Unido. Os 23 representantes considerados por Londres como "agentes de inteligência não declarados" terão "uma semana" para deixar o território britânico.

Trata-se da maior onda de expulsão de diplomatas russos pelo Reino Unido desde a Guerra Fria. No entanto, "não é do nosso interesse nacional cortar todo o diálogo", indicou a primeira-ministra britânica, Theresa May, acrescentando que Londres não enviaria nenhum representante, diplomata ou membro da família real para a Copa do Mundo da Rússia.

Imprensa russa

A imprensa russa acusou a premiê britânica nesta quinta-feira de "envenenar" as relações com Moscou. "Theresa May envenenou as relações entre Moscou e Londres", diz a manchete do Nezavissimaïa Gazeta.

O Rossiïskaïa Gazeta qualifica de "reação nervosa" as medidas anunciadas pela dirigente britânica, que "escolheu a confrontação com Moscou".

"A crise nas relações entre Moscou e Londres alcançou um novo ápice", aponta o jornal Kommersant, que condena as autoridades britânicas por "buscarem respostas tóxicas" para o envenenamento do ex-espião russo.

De acordo com o Izvestia, a Rússia "responderá, no mínimo, de maneira simétrica à expulsão dos 23 diplomatas russos". "Mas a reação russa pode ser até mais global", afirma o jornal, citando fontes diplomáticas. / REUTERS e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.