Moscou pede reconhecimento de novos países

O governo russo acusou ontem o Ocidente de estar rearmando a Geórgia e conclamou na ONU os demais países para que reconheçam a independência das províncias da Ossétia do Sul e da Abkázia. Para Moscou, apenas a criação desses novos Estados evitaria um genocídio no Cáucaso. "Está claro que a Geórgia está comprando armas que estão sendo enviadas como se fossem ajuda humanitária", afirmou ontem Valery Loshchinin, embaixador russo na ONU durante conferência sobre desarmamento. O Kremlin também atacou a Otan. "Não precisamos de parceria com a Otan. Parceria para quê? Estamos cercados por todos os lados por bases militares e um número cada vez maior de países da Otan", disse Loshchinin, que afirmou que a Otan é que precisa muito mais da cooperação da Rússia. "Para nós, o fim da cooperação não será nada demais." Enquanto a Rússia pediu apoio internacional à independência da Ossétia do Sul e da Abkázia, a Geórgia usou a tribuna da ONU para acusar Moscou de ter usado minas e outras armas ilegais contra civis, hospitais, igrejas e escolas. Segundo estimativas da ONU, dos mais de 150 mil refugiados, cerca de 35 mil já retornaram a suas cidades.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.