Moscou recebe Gates com frieza em debate sobre mísseis

O secretário da Defesa dos Estados Unidos, Robert Gates, teve uma recepção fria em Moscou na visita para tentar dar garantias à Rússia sobre os planos de instalação de defesas contra mísseis na Europa, em disputa que ajudou a levar as relações a um novo ponto baixo. O ministro da Defesa russo afirmou que o escudo de mísseis é "um sério fator desestabilizador" depois de se reunir com Gates, que deve se encontrar também com o presidente Vladimir Putin. Os EUA estão oferecendo compartilhar alguns benefícios do escudo de mísseis com os russos, afirmando que o objetivo é lidar com uma possível ameaça dos chamados estados nocivos, como o Irã. Mas a Rússia considera os planos da instalação de sistemas de mísseis na Polônia e na República Tcheca uma ameaça, e a disputa provocou comparações com a Guerra Fria. "O sistema de estratégico de defesa de mísseis é um sério fato desestabilizador que pode ter um impacto significante sobre a segurança regional e global", disse o ministro Anatoly Serdyukov segundo a agência de notícias Interfax. Uma autoridade sênior que está viajando com Gates disse que o secretário da Defesa tentará conseguir de Putin o acordo oferecido aos russos na semana passada para compartilhar os benefícios do sistema, como dados e possivelmente tecnologia. Mas o Pentágono pretende seguir adiante qualquer que seja a resposta, disse a autoridade. "Vamos continuar fazendo este esforço com a Rússia, mas também somos muito claros: se a Rússia vai cooperar conosco ou não, isso cabe à Rússia decidir", disse a autoridade no domingo. Washington quer instalar 10 mísseis de interceptação na Polônia e radares na República Tcheca, com custo de 3,5 bilhões de dólares. Autoridades americanas estão tratando do tema sob o ponto de vista tecnológico, e não político, e argumentam que o assunto é simples: o sistema não pode ser usado contra mísseis russos, dizem. Preocupação russa Mas os russos manifestam preocupações técnicas e estratégicas com os planos dos EUA. Algumas autoridades dizem que os locais são muito próximos da fronteiras russas e que podem prejudicar a segurança do país. Algumas dizem também que os EUA poderão equipar depois as instalações com armas ofensivas apontadas para a Rússia. Autoridades russas dizem que apóiam o tema de um sistema coletivo de mísseis que protegeria o país contra estados nocivos, mas ficaram incomodadas com o fato de Washington ter avançado de maneira unilateral. Depois de Moscou, o secretário da Defesa dos EUA irá também à Polônia e à Alemanha para debater o sistema de defesa de mísseis.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.