"Mostramos fraqueza, e povos fracos apanham", diz Putin

Em pronunciamento em rede nacional de TV o presidente da Rússia, Vladimir Putin, definiu a tomada de reféns por um comando checheno na escola de Beslan como um "ataque do terror internacional" contra o país e anunciou que as forças de segurança agirão com mais vigor no combate ao terrorismo. Ele afirmou que tomará medidas para fortalecer a integridade territorial da Rússia, criar um sistema mais eficiente de gerenciamento de crises e reformar os órgãos de segurança. "Temos de admitir que nós não mostramos uma compreensão das complexidades e perigos do processo que ocorre no nosso país e no mundo. De qualquer modo, nós não poderíamos reagir adequadamente... Mostramos fraqueza, e povos fracos apanham", disse. No confronto entre as forças russas e o comando terrorista na escola, onde havia cerca de 1.200 reféns, morreram pelo menos 340 pessoas, entre as quais 155 crianças, e ficaram feridas 531. O governo informou ter matado 26 rebeldes e prendido 3. Putin falou à TV depois de retornar de uma visita a Beslan e ter ordenado o fechamento das fronteiras da república da Ossétia do Norte, para evitar a fuga de um número indefinido de terroristas que escapou. "Estamos diante de uma intervenção direta do terror internacional contra a Rússia, uma guerra total, poderosa e cruel, a qual mais e mais tira vidas de nossos cidadãos", disse Putin na TV, salientando que, por causa do colapso da União Soviética, a nação ficou enfraquecida e incapaz de responder com a eficácia que deveria. Ele ressaltou que a reforma no sistema de segurança será feita em conformidade com a Constituição.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.