Motim em prisão boliviana deixa 30 mortos

Pelo menos 30 pessoas morreram e outras 60 ficaram feridas durante um motim ocorrido nesta sexta-feira na penitenciária de Palmasola, no leste da Bolívia, informou o grupo independente Assembleia Permanente para os Direitos Humanos.

AE, Agência Estado

23 de agosto de 2013 | 21h33

Muitas pessoas morreram queimadas, e testemunhas disseram que os detentos usaram tanques de gás propano como lança-chamas.

O motim teve como motivo aparente uma disputa interna de detentos pelo controle da prisão superlotada situada nos arredores de Santa Cruz.

A representante local da Assembleia Permanente, Maria Inez Galvez, informou que ela e outros membros do grupo com permissão para entrar na prisão, viram "corpos de homens queimados, alguns dos feridos com as mãos queimadas, outros com os rostos queimados".

Galvez contou que a briga começou após uma gangue de detentos do bloco B se recusar a pagar propinas extorsivas para os rivais no bloco A, que iniciaram o ataque quando os detentos estavam dormindo.

A prisão de Palmasola tem lotação de 3.500 detentos, quatro entre cinco estão à espera de julgamento.

O presidente Evo Morales demonstrou "consternação" pelas mortes em comunicado divulgado pela agência estatal de notícias ABI, e disse que ordenou uma investigação total do ocorrido.

Autoridades informaram que retomaram o controle da prisão após quatro horas de conflito, e o diretor da prisão, Alberto Aracena, disse que cerca de 250 detentos foram evacuados.

Armas e drogas entram facilmente na prisão e os negócios são feitos sob a proteção de líderes de gangues. Quase tudo pode ser obtido em uma prisão como Palmasola mediante pagamento, informou um ex-detento, incluindo celulares e espaços maiores para viver. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Bolíviamotim

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.