Motim em prisão paraguaia deixa 23 mortos e 96 feridos

Um incêndio decorrente de uma rebelião causou a morte de 23 presos e deixou outros 96 feridos neste sábado, na Penitenciaria de Alto Parana e Canindeyú, em Ciudad del Este, no Paraguai, fronteira com Foz do Iguaçu. Podem estar mortos três dos 100 brasileiros presos no local. Até o início da noite, dez corpos ainda não haviam sido identificados. A rebelião teve início na manhã deste sábado e só foi controlada nove horas depois.Segundo relato dos presos, um policial atirou contra um detento que resistiu a uma revista. Os demais se revoltaram e atearam fogo em colchões. Os bombeiros demoraram quatro horas para conter as chamas. Metade da penitenciária ficou destruída. Uma enfermaria teve de ser improvisada no pátio da penitenciária para atender aos 96 feridos, entre eles seis em estado grave, que foram removidos para Assunção, a 330 quilômetros.Outros foram internados em hospitais da região. Entre os feridos estão vários brasileiros, muitos deles cumprem pena sem terem sido julgados. A Penitenciaria de Alto Parana e Canindeyú tem capacidade para 250 presos, mas abrigava mais de 700 no momento da rebelião.A situação carcerária não é diferente no lado brasileiro da fronteira. A cadeia pública de Foz do Iguaçu tem espaço para 236 presos, mas também abriga mais de 600, entre os quais estão 35 paraguaios, dois argentinos, um uruguaio e três libaneses. A maioria dos estrangeiros foi presa por tráfico de drogas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.