Imagens da CCTV
Imagens da CCTV

Motorista atropela crianças em escola na China e deixa cinco mortos

Homem que dirigia o veículo na província de Liaoning, no nordeste chinês, foi preso, e a polícia investiga as causas do acidente; ao menos 18 ficaram feridos

O Estado de S.Paulo

22 Novembro 2018 | 20h26

Um motorista foi preso na China após atropelar um grupo de crianças em frente a uma escola nesta quinta-feira, 22, deixando ao menos cinco mortos e 18 feridos, informou a imprensa estatal.

A polícia investiga as causas do atropelamento, que aconteceu ao meio-dia no horário local (2 horas no horário de Brasília), diante de uma escola do ensino básico na cidade de Huludao, na província de Liaoning, no nordeste do país.

As idades das vítimas não foram divulgadas, mas elas são menores de idade, informou o canal oficial CCTV em sua conta na rede social Weibo.

Alguns vídeos não verificados que circulam nas redes sociais mostram um carro mudando bruscamente de pista e avançando contra as crianças que atravessavam a rua. Muitas vítimas ficaram no chão após o impacto.

Outras imagens mostram os corpos dos menores ensanguentados, enquanto muitos curiosos se reúnem na área do acidente.

Sem lei

Na China, os motoristas costumam ignorar as normas de trânsito. De acordo com dados oficiais, 58.000 pessoas morreram em acidentes nas rodovias do país em 2015.

As infrações foram responsáveis por 90% dos acidentes que deixaram mortos ou feridos neste ano. No início do mês, 13 pessoas morreram no sudoeste do país quando um ônibus caiu de uma ponte após uma briga entre o motorista e uma passageira.

As equipes de resgate enviaram ao local do acidente mais de 70 barcos, mergulhadores e robôs submarinos para localizar o veículo e retirar os corpos da água.

Em setembro, 11 pessoas faleceram quando um homem, descrito pela polícia como um "reincidente vingativo", atropelou as vítimas em uma praça de Hengdong, uma cidade de Hunan (centro).

Em fevereiro, uma caminhonete com garrafas de gasolina e botijões de gás pegou fogo e deixou pelo menos oito feridos, no que a polícia classificou como "acidente de tráfego".

Em 2013, dois turistas morreram na famosa Praça Tiananmen (Paz Celestial) de Pequim quando um carro avançou contra a multidão e sofreu um incêndio.

As autoridades atribuíram este atentado, no qual os três criminosos morreram, a separatistas uigures, de religião muçulmana, procedentes da região de Xinjiang, noroeste do país.

Vários atentados executados por uigures deixaram centenas de mortos na China nos últimos anos, de acordo com o governo.

Mais conteúdo sobre:
China [Ásia]atropelamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.