REUTERS/Luis Ascui
REUTERS/Luis Ascui

Atropelamento na Austrália foi ato intencional, diz polícia

Autoridades prenderam duas pessoas, entre elas o motorista, mas descartam, por enquanto, conexão com terrorismo

O Estado de S.Paulo

21 Dezembro 2017 | 05h35
Atualizado 25 Abril 2018 | 16h33

SIDNEI - Ao menos 20 pessoas, entre elas uma criança, ficaram feridas em um atropelamento intencional em uma área movimentada de Melbourne, segunda maior cidade da Austrália, na manhã desta quinta-feira, 21.  Quatro feridos estão em estado grave, de acordo com informações da polícia. As autoridades australianas prenderam duas pessoas, entre elas o motorista, de 32 anos, mas afirmaram que ainda não há evidência de ligação entre o caso e o terrorismo. O acompanhante, de 24 anos, que estava filmando a ação do lado de fora do carro também foi detido.

Várias ambulâncias e serviços de emergência foram para o local e 13 vítimas estão hospitalizadas, algumas em estado grave. As autoridades pedem que os moradores evitem a região.

Segundo testemunhas, o carro, uma SUV, trafegava em alta velocidade pela Rua Flinders quando atingiu os pedestres às 16h45 (horário local). A região estava movimentada porque tem muitas lojas e as pessoas faziam as compras de Natal. Outra testemunha disse ter ouvido gritos antes que algumas pessoas começassem a correr para todos os lados. Imagens de câmeras de segurança mostram o momento em que muitos corriam com medo.

A polícia investiga o histórico do motorista e afirmou ter recebido informações de que ele passava por um tratamento médico para doenças mentais. "Por enquanto estamos no início da investigação e é cedo para dizer a motivação do ato", disse o comandante Russell Barrett. O carro usado no atropelamento não era roubado.

A polícia também pediu a ajuda de internautas para que divulguem nas redes sociais imagens que possam ajudar nas investigações.

Pelo twitter, o primeiro-ministro, Malcolm Turnbull, afirmou que as polícias federal e estatal, junto com as agências de segurança, estão trabalhando para garantir a segurança local e investigar o ‘incidente chocante’.

Prevenção

Diante dos ataques cometidos por extremistas, o governo australiano tem atuado para evitar atentados. Segundo autoridades, ao menos 13 ataques terroristas foram evitados no país nos últimos anos. 

Após os atentados executados por meio de atropelamento em massa em Nova York, Nice e Barcelona, o governo australiano informou que também tem atuado para limitar as chances de esse tipo de ataque acontecer. Entre as medidas tomadas estão a instalação de câmeras e o plantio de árvores e arbustos para obrigar os carros a diminuir a velocidade.

Em Melbourne, também foi instalado um sistema público para informar a população sobre atentados e outras ameaças. No entanto, segundo o jornal Age, nesta quinta-feira, nem a sirene foi disparada e nem a polícia aplicou estratégias antiterroristas.  /AFP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.