Motorista de ônibus acidentado na Colômbia não tinha habilitação

Pelo menos 32 crianças morreram quando veículo que voltava de missa explodiu em Fundación

O Estado de S. Paulo,

19 Maio 2014 | 09h37

 

Ônibus ficou completamente destruído pelo fogo. Foto: El Heraldo/ Efe

BOGOTÁ - O motorista do ônibus que pegou fogo no domingo, 18, na cidade colombiana de Fundación, provocando a morte de 32 crianças, foi preso nesta segunda-feira. O condutor, que não tinha habilitação, deve ser interrogado ainda hoje sobre o acidente, informou a polícia colombiana.

"O motorista está preso depois de ter se entregado às autoridades e deve se apresentar em uma audiência preliminar", disse um porta-voz do departamento (Estado) de Madalena, onde fica a cidade do acidente. "Ele está preso temporariamente enquanto se determina sua responsabilidade."

Segundo a polícia, uma das linhas de investigação é a de que o motorista tentava abastecer o ônibus com combustível contrabandeado no momento da explosão. Outra hipótese é falha técnica do ônibus.

O motorista se entregou depois de que moradores da cidade foram até sua casa na tentativa de agredi-lo.

O veículo de uso escolar transportava 52 crianças com idades entre 3 e 12 anos, quantidade superior ao permitido, que voltavam de uma cerimônia religiosa "não estava habilitado desde 2012" e "era um veículo ilegal que não tinha seguro de transporte", disse a ministra dos Transportes, Cacilia Álvarez, à rádio RCN.

"Não apenas o motorista deve ser ouvido pela Justiça, mas também os responsáveis da igreja que contrataram um serviço irregular e o proprietário do veículo, já que as condições em que ele estava não eram ideais para transportar passageiros", disse o general Carlos Mena, comandante da polícia de trânsito ao diário El Heraldo de Barranquilla.

O presidente Juan Manuel Santos, que foi ao local do acidente no domingo, afirmou nesta segunda-feira que o governo fará "tudo que estiver ao seu alcance para que esses acidentes lamentáveis não voltem a ocorrer". / EFE

Mais conteúdo sobre:
Colômbia

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.