Ernesto Rodrigues/Estadão
Ernesto Rodrigues/Estadão

Mourão diz que possibilidade de fechar embaixada palestina é 'retórica e ilação'

O presidente em exercício, destoando da promessa de campanha de Bolsonaro, lembrou que o embaixador brasileiro na ONU, Frederico Meyer, defendeu uma solução de dois Estados na região, o israelense e o palestino

Redação, O Estado de S.Paulo

23 de janeiro de 2019 | 15h04

BRASÍLIA - O presidente em exercício, Hamilton Mourão, classificou nesta quarta-feira, 23, como "retórica e ilação" a possibilidade de fechar a Embaixada da Autoridade Palestina no Brasil. Durante a campanha eleitoral, no ano passado, o presidente Jair Bolsonaro prometeu que iria retirar a representação diplomática em Brasília porque "a Palestina não é um país".

Mourão, destoando da promessa de campanha de Bolsonaro, lembrou que o embaixador brasileiro na Organização das Nações Unidas (ONU), Frederico Meyer, defendeu uma solução de dois Estados na região, o israelense e o palestino. "Não, nada disso", declarou o presidente em exercício, quando lembrado da promessa de Bolsonaro. "Os dois Estados são reconhecidos. O resto tudo é retórica e ilação, aguardem. Como é que falou o embaixador alemão? Aguardem os atos, né?"

Ao fazer a declaração, Mourão se referiu ao embaixador da Alemanha no Brasil, Georg Witschel, que o visitou na segunda-feira, 21. Após a audiência, Witschel relatou que a visão de parte dos alemães em relação ao governo de Jair Bolsonaro é "bastante crítica" e preocupante por causa dos discursos de campanha do brasileiro. "O que nós queremos é medir o novo governo segundo os atos, segundo os fatos, e não segundo os tuítes e as palavras durante a campanha", disse o embaixador.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.