Moussaoui admite que iria jogar 5º avião contra a Casa Branca

O membro da Al-Qaeda preso por ter participado da conspiração que levou aos ataques de 11 de setembro nos Estados Unidos, Zacarias Moussaoui, testemunhou nesta segunda-feira dizendo que ele e outro membro da Al-Qaeda, Richard Reid, deveriam ter seqüestrado um quinto avião e o jogado contra a Casa Branca O depoimento de Moussaoui pode mudar profundamente o julgamento. O testemunho desta segunda foi muito diferente de seus passados, em que ele dizia que a Casa Branca só seria atacada caso os Estados Unidos não concordassem em libertar um Sheik radical egípcio que havia sido preso anteriormente. No dia 22 de dezembro de 2001, Reid foi rendido pelos passageiros de um avião enquanto o terrorista tentava detonar uma bomba que levava em seu sapato em vôo de Paris para Miami. Haviam 197 pessoas à bordo. A aeronave foi desviada para Boston, onde pousou em segurança. Moussaoui disse à corte que sabia dos ataques às torres do World Trade Center quando foi preso, apesar de não fazer parte e não saber dos detalhes, mas mentiu aos investigadores quando foi preso no dia 1º de agosto. Ao todo foram 19 os responsáveis pelos ataques de 11 de setembro a Nova York e Washington. Quando questionado pelo seu advogado sobre motivo de ter assinado a culpa como sendo "o 20º atacante", sendo que ele não participou dos ataques, Moussaoui respondeu: "Porque todo mundo já se referia à minha pessoa como o 20º atacante e foi divertido". Reid foi condenado em 2003 nos EUA a três penas perpétuas por tentar fazer explodir um avião em pleno vôo sobre o Atlântico, quando viajava de Paris a Miami. A defesa de Moussaoui tem usado um relatório de um ex-agente secreto que diz ter tentado informar à CIA sobre movimentações terroristas por parte da Al-Qaeda nos EUA, mas não obteve resposta da central de segurança. A defesa do terrorista argumenta que essa falta de cuidado fez com que o estado americano não prevenisse os ataques. Desta forma, seu cliente não poderia ser responsabilizado completamente pelas mortes. Para conseguir a pena de morte à Moussaoui, a promotoria, por sua vez, precisa provar que o envolvimento do réu, principalmente suas mentiras após ter sido preso, provocou pelo menos uma morte nos ataques de 11 de setembro. Se a promotoria falhar, o réu receberá a prisão perpétua.

Agencia Estado,

27 Março 2006 | 18h09

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.