Arquivo/AP
Arquivo/AP

Movimentação do Exército egípcio no Sinai preocupa Israel

Para analistas, este é 'teste mais significativo' nas relações entre os dois países após queda de Mubarak

BBC

21 de agosto de 2012 | 17h45

TAL-AVIV - A decisão do presidente egípcio, Mohamed Morsi, de deslocar tropas e armamentos para o deserto do Sinai desperta preocupação em Israel. A grande presença militar provoca desconfiança já que a área, segundo o acordo de Camp David, deve permanecer desmilitarizada.

Veja também:

link Egito sufoca indústria dos túneis clandestinos para Gaza

link Israel acusa Egito de violar tratado de paz no Sinai

Desde o dia 5 de agosto, quando um grupo radical islâmico realizou um ataque contra soldados egípcios na fronteira do deserto do Sinai com Israel, o Exército do Egito começou a transferir grandes contingentes de tropas e armamentos pesados à região.

O ataque, que matou 16 soldados egípcios, levou o presidente Morsi a coordenar com o governo israelense a entrada do Exército no deserto do Sinai. A área, que chegou a ser ocupada por Israel, foi devolvida ao Egito após a assinatura de um acordo de paz entre os dois países em Camp David, em 1979.

O governo israelense concordou com a entrada das tropas na região, porém, de acordo com analistas, espera que logo depois desta operação militar específica o Sinai retorne à situação anterior, como zona desmilitarizada.

De acordo com o veterano diplomata israelense Meir Rozen, que já foi embaixador de Israel nos Estados Unidos e também serviu como assessor jurídico do Ministério das Relações Exteriores, "se o Egito não retirar as tropas e os armamentos ao final da operação, se configurará um casus belli (uma agressão de guerra)". Em entrevista à radio Kol Israel, Rozen afirmou que se os egípcios "insistirem em manter as tropas no Sinai, Israel terá um motivo para usar força para retirá-las".

Teste

De acordo com o analista do canal 1 da TV israelense, Oded Granot, este é o "teste mais significativo" das relações entre Israel e o Egito depois dos protestos que derrubaram o ex-presidente Hosni Mubarak e levaram à eleição do representante da Irmandade Muçulmana, Mohamed Morsi.

Granot recomendou ao governo israelense que "tente resolver o problema com o governo egípcio nos bastidores, em vez de fazer declarações em público, para não elevar os tons da divergência". O analista também disse que Israel tem interesse de que o Egito retome o controle do deserto do Sinai, desde a Primavera Árabe uma "terra de ninguém".

De acordo com Granot, a ausência de controle do Estado egípcio no Sinai abre espaço para a infiltração de grupos radicais do Jihad Global, que por sua vez ameaçam a segurança de Israel e contrabandeiam armas para a Faixa de Gaza.

O novo governo egípcio interrompeu a exportação de gás para Israel, em medida interpretada como "hostil" por analistas locais, porém ainda no âmbito comercial.

A situação no deserto do Sinai acrescenta mais uma frente de tensão entre Israel e os países vizinhos. Nas últimas semanas cresceram os rumores sobre a possibilidade de um ataque israelense ao Irã, que teria o objetivo de destruir as instalações nucleares do país persa. Na frente libanesa também há uma tensão crescente, com trocas constantes de ameaças entre Israel e a milícia xiita Hezbollah.

 

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelEgitoSinaiExército

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.