Movimento 5 Estrelas diz que deve formar governo

Representantes do Movimento Cinco Estrelas da Itália reiteraram os pedidos para que um referendo sobre o uso do euro na Itália seja realizado e insistiram que eles devem formar o próximo governo do país. O presidente Giorgio Napolitano está consultando líderes políticos sobre a formação do novo governo depois das eleições inconclusivas de fevereiro.

Agência Estado

21 de março de 2013 | 09h06

Roberta Lombardi e Vito Crimi se reuniram com Napolitano pela manhã e posteriormente divulgaram uma lista com 20 prioridades políticas. Entre elas estava a abolição do financiamento público a partidos políticos, uma legislação séria sobre conflitos de interesse, a redução das redes estatais de televisão e a isenção de primeiras residências de um novo imposto sobre propriedades.

As medidas representam a "extrema responsabilidade" do partido com relação ao país, afirmou Lombardi. O fundador do Movimento Cinco Estrelas, Beppe Grillo, um ex-comediante, esteve na reunião com Napolitano, mas não participou do curto pronunciamento à imprensa que ocorreu em seguida - que não foi aberto a perguntas.

Lombardi disse que o Movimento Cinco Estrelas sente que é o maior partido do país e, assim, deveria receber o mandato para formar o novo governo. O partido obteve mais votos nacionalmente do que o Partido Democrático, mas o último venceu com a soma dos votos de eleitores no exterior. Ambos conseguiram cerca de 25% dos votos na eleição de fevereiro.

Se Napolitano der ao movimento um mandato, o partido escolherá um candidato a primeiro-ministro, afirmou Lombardi. Se isso não acontecer, o partido exigirá a presidência dos comitês de supervisão dos serviços secretos da Itália e da rede de televisão RAI, acrescentou.

Mais tarde, Napolitano vai se reunir com o líder de centro-direita Silvio Berlusconi e, posteriormente, com uma delegação do Partido Democrático. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.