Movimentos pró-democracia reúnem 10 mil na Indonésia

Mais de 10 mil muçulmanos se manifestaram neste domingo na Indonésia para demonstrar apoio aos movimentos pró-democracia e por reformas na Líbia, no Iêmen e no Bahrein, pedindo a renúncia imediata do ditador líbio Muamar Kadafi e a proteção dos civis.

AE, Agência Estado

27 de março de 2011 | 12h32

Homens, mulheres e crianças participaram do protesto em Jacarta, capital do país que tem a maior população muçulmana do mundo. Eles se manifestavam contra Kadafi ou criticavam os ataques aéreos internacionais que estão apoiando os rebeldes na Líbia.

O líder do Partido da Justiça e Prosperidade, Hidayat Nur Wahid, que organizou o evento, afirmou aos manifestantes que Kadafi precisa renunciar para interromper uma tragédia humanitária. "Kadafi tem de aceitar a realidade de que as pessoas não o querem mais como líder", disse. "Nós pedimos que os ataques aéreos internacionais sobre a Líbia seja suspensos pela segurança de civis inocentes", declarou.

A população indonésia também denunciou os ataques aéreos contra a Faixa de Gaza. A Jihad Islâmica, grupo militante que frequentemente ataca Israel, confirmou que dois membros foram mortos neste domingo.

Segundo o oficial de polícia Riza Rusmawan, o protesto em Jacarta foi pacífico. A população da Indonésia derrubou o ditador Suharto, que era aliado dos EUA e ficou durante anos no poder, em 1998. A maioria dos muçulmanos do país de 237 milhões de habitantes, pratica o islã moderado. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Indonésiaprotestos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.