REUTERS/Daniel Tapia
REUTERS/Daniel Tapia

MP do Equador apresentará denúncias contra vice-presidente envolvido no caso Odebrecht

Glas está preso preventivamente desde o começo de outubro, quando o procurador-geral, Carlos Baca, pediu sua prisão

O Estado de S.Paulo

08 Novembro 2017 | 17h39

QUITO - A procuradoria do Equador anunciou nesta quarta-feira (8) que apresentará denúncias contra o vice-presidente Jorge Glas em uma investigação criminal sobre o esquema de propinas da Odebrecht, na qual absteve-se de denunciar o delator da empresa brasileira, José Conceição Santos Filho.

+Presidente do Equador é retirado da liderança de partido governista

"Será entregue um parecer acusatório contra 13 processados e apresentou-se por escrito um parecer de abstenção [de acusar] a favor de cinco processados", disse à imprensa o procurador-geral, Carlos Baca, após o primeiro dia de uma audiência preparatória de julgamento por atos de corrupção promovidos pela empreiteira brasileira no Equador.

Glas está preso preventivamente desde o começo de outubro, quando Baca pediu sua prisão  "em vista dos novos elementos de convicção na investigação por associação ilícita". Acusado pela oposição de estar envolvido em outros casos de corrupção, Glas foi responsável desde 2007 por setores estratégicos do Equador e a partir de 2013 se tornou vice-presidente.

As investigações em curso no Equador já provocaram a prisão de mais de dez pessoas, incluindo Rivera e o ex-ministro de Eletricidade Alecksey Mosquera, aliado de Glas.

Em nota, a empreiteira afirma que está colaborando para esclarecer todos os fatos relativos aos casos de corrupção envolvendo seus ex-executivos. “A Odebrecht entende que é de responsabilidade da Justiça a avaliação de relatos específicos feitos pelos seus executivos e ex-executivos. A empresa está colaborando com a Justiça no Brasil e nos países em que atua. Já reconheceu os seus erros, pediu desculpas públicas, assinou um Acordo de Leniência com as autoridades do Brasil, Estados Unidos, Suíça, República Dominicana, Equador e Panamá, e está comprometida a combater e não tolerar a corrupção em quaisquer de suas formas. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.