AP Photo/Emilio Morenatti
AP Photo/Emilio Morenatti

Líderes separatistas catalães são presos; MP pede detenção de ex-governador

Oito independentistas que integravam gabinete do governo catalão deposto por Madri são enviados para penitenciárias, incluindo o líder nas pesquisas para a eleição regional de 21 dezembro; militantes se mobilizam contra ações da Justiça e da Procuradoria

Andrei Netto, Enviado Especial / Barcelona, O Estado de S.Paulo

02 Novembro 2017 | 14h04
Atualizado 02 Novembro 2017 | 20h50

BARCELONA - Oito líderes separatistas que integravam o governo catalão destituído por Madri foram presos nesta quinta-feira, 2, após solicitação do Ministério Público espanhol, sob acusação de praticar os crimes de rebelião e desvio de verbas públicas. Os procuradores pediram também a detenção do governador deposto da Catalunha, Carles Puigdemont, refugiado na Bélgica.

Nova eleição catalã terá disputa apertada, aponta pesquisa

Todos são considerados membros ativos do movimento independentista, que realizou o plebiscito não autorizado de 1.º de outubro e participou da declaração de independência unilateral na última sexta-feira.

O pedido contra o ex-governador não foi acatado ontem, mas resultou na prisão dos oito outros secessionistas, incluindo Oriol Junqueras, vice-governador deposto e atual líder das pesquisas eleitorais. “O governo legítimo da Catalunha encarcerado por suas ideias e por ter sido leal ao mandato do Parlamento local”, tuitou em resposta Puigdemont, que mais tarde exigiu pela TV catalã a libertação de seus colegas, apresentando-se como “governador legítimo”.

Se forem condenados, os acusados podem enfrentar até 30 anos de prisão. Puigdemont continua refugiado em Bruxelas, onde está desde o final de semana. Ele não compareceu à audiência do MP e não prestará depoimento à Alta Corte de Justiça da Espanha, em Madri, onde 14 membros de seu governo são esperados até o sábado. Quatro outros políticos já anunciaram que não comparecerão.

Os oito membros do gabinete presos foram enviados para Estremera (seis homens) e Alcalá Meco (duas mulheres). Antes de ser detido, Junqueras convocou os independentistas a “derrotar o mal nas urnas em 21 de dezembro”. O pedido de prisão de Puigdemont e dos demais membros do gabinete depostos pela intervenção do primeiro-ministro da Espanha, Mariano Rajoy, é considerado uma reação a atos de rebelião e desvio de fundos públicos para a campanha independentista.

“O denunciado Carles Puigdemont Casamajo manifestou publicamente sua intenção de não comparecer e solicitou fazer declaração por videoconferência, sem oferecer dado algum sobre seu paradeiro”, argumentaram os procuradores. “Solicita-se assim ao juizado que ordene a busca e captura e a detenção em âmbito nacional e internacional.”

Tão logo a decisão foi anunciada, o MP Federal da Bélgica respondeu que tão logo seja notificado cumprirá a ordem europeia de detenção contra Puigdemont. Na segunda-feira, em sua primeira manifestação após deixar a Catalunha, o ex-governador condicionou seu regresso à Espanha a “garantias”, que segundo ele não obteve. Seu advogado belga, Paul Bekaer, célebre na Espanha por ter defendido membros do grupo terrorista independentista basco ETA, chegou a oferecer um depoimento por teleconferência, mas argumentou que não haveria “clima político” para o retorno do líder secessionista ao país.

Ato em Barcelona reúne 300 mil pessoas pela unidade da Espanha

Se for detido, Puigdemont não poderá ser candidato de seu partido às eleições regionais de 21 de dezembro, convocadas por antecipação por Rajoy. A Justiça da Espanha ampliou sua ofensiva envolvendo também a presidente do Parlamento catalão, Carme Forcadell, e cinco deputados membros da mesa diretora do Legislativo.

A agressividade dos procuradores contra os líderes do movimento independentista provocou uma reação imediata em Barcelona. No final da manhã, milhares de pessoas se reuniram na Praça Sant Jaume, em frente ao Parlamento e à sede do Executivo, para protestar contra a Justiça da Espanha, que não consideram legítima.

“Isso não é justiça, é uma injustiça total, e por isso estou aqui. Não são juízes de direito, mas juízes políticos. Temos esperança de que ao final a Europa se dará conta do problema e intervirá”, afirmou o aposentado Joan S., 70 anos, que portava uma bandeira “estrelada”, símbolo do movimento secessionista. Sua luta é para que, com uma eventual vitória em dezembro, os independentistas consigam negociar a realização de um plebiscito legal sobre a separação. “Neste momento há outros 10 presos políticos na Catalunha. Isso não existe em nenhum outro país da Europa, salvo na Espanha.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.