AP/Jorge Saenz
AP/Jorge Saenz

MP paraguaio vê contradições em depoimentos sobre pacto de Itaipu

Procuradores já ouviram o presidente Abdo Benítez, seu vice e o ex-presidente da Ande sobre venda de energia; investigações correm em sigilo

Ricardo Galhardo, ENVIADO ESPECIAL A ASSUNÇÃO, O Estado de S.Paulo

12 de agosto de 2019 | 21h43

Em meio a uma onda de protestos por todo o país, o Ministério Público do Paraguai afirmou ter identificado contradições entre os depoimentos do presidente Mario Abdo Benítez e do vice, Hugo Velázquez, e as informações prestadas pelo ex-presidente da Administração Nacional de Energia (Ande, a estatal energética paraguaia) Pedro Ferreira sobre o acordo de revisão do uso da energia de Itaipu.

Velázquez prestou depoimento nesta segunda-feira por mais de seis horas aos procuradores que integram a força-tarefa criada para investigar supostos prejuízos ao interesse público paraguaio causados pelo acordo, considerado “entreguista”.

Segundo os procuradores, Velázquez repetiu a versão dada no domingo pelo próprio presidente ao MP sobre uma reunião da qual teriam participado os dois além de Ferreira e do ministro da Fazenda, Benigno López, na qual se tratou informalmente, segundo ele, sobre a venda da energia de Itaipu.

Os procuradores não deram detalhes sobre as contradições. A investigação corre em sigilo. Segundo eles, Velázquez negou que o advogado José “Joselo” Rodríguez seja assessor jurídico da vice-presidência, mas disse que encaminhou o advogado para falar com Ferreira.

O vice-presidente disse que Joselo era um militante de seu partido (Colorado) e se apresentou como advogado da empresa brasileira Léros, ligada ao empresário e político Alexandre Giordano (PSL), suplente do senador Major Olímpio (PSL-SP). A Léros é uma das interessadas em comercializar a energia paraguaia no Brasil.

Nas mensagens entregues por Ferreira ao MP, Joselo vinculava a empresa ao “governo brasileiro” e representava a “família presidencial”. De acordo com o vice-presidente, pelo menos outras duas empresas, uma da Argentina e outra da Coreia do Sul, manifestaram interesse em comercializar a energia paraguaia.

Segundo pessoas próximas ao MP paraguaio, as investigações devem demorar pelo menos mais um mês. Também ontem o Partido Colorado, governista, nomeou seus representantes para a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) criada pelo Congresso para apurar a acusação de traição à pátria feita contra Benítez, que pode resultar em impeachment.

Para a oposição e setores do Partido Colorado, a ata do acordo fechado com o Brasil em 24 de maio é “entreguista”, pois admite que o Paraguai seja obrigado a contratar mais energia garantida (que custa US$ 44 o mw/h) e menos energia excedente (US$ 6 o mw/h) de Itaipu. Segundo cálculos de especialistas, isso poderia gerar aumento de até 25% na tarifa de energia elétrica ou déficit de US$ 140 milhões ao ano para o Paraguai, cujo PIB é de US$ 16 bilhões.

Depois que o caso veio à tona no dia 1o de agosto, com a renúncia de Ferreira da presidência da Ande, o governo do Paraguai cancelou unilateralmente o acordo, com apoio do governo Jair Bolsonaro e dos EUA, ambos aliados de Benítez.

A oposição chegou a protocolar um pedido de impeachment do presidente que foi derrubado após o cancelamento do acordo. No entanto, a revelação pela imprensa local das trocas de mensagens entre autoridades paraguaias, entre elas algumas do próprio presidente defendendo o acordo, reacendeu a crise política no país vizinho.

Protestos.

Integrantes de partidos e movimentos de oposição fizeram bloqueios e marchas nesta segunda-feira em ao menos 20 pontos de rodovias em todo o país. Em Três Bocas, na região sul de Assunção, houve um início de confusão entre manifestantes e policiais, que usaram da violência.

Na cidade de Villa Elisa, região periférica de Assunção, balas de borracha e bombas de gás lacrimogêneo foram atiradas pela polícia, levando sete manifestantes ao hospital. A residência do presidente Abdo Benítez também foi palco de protesto. O objetivo da oposição é criar um clima favorável para uma greve geral. Simultaneamente, dezenas de funcionários públicos fizeram uma manifestação em favor do presidente no centro da cidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.