Suhaib Salem/Reuters
Suhaib Salem/Reuters

Mubarak acompanhou eleições deprimido e com mulher vestida de luto

Medidas de segurança se intensificaram nas imediações do hospital onde ele está internado

Efe,

24 Maio 2012 | 15h10

CAIRO - O ex-presidente egípcio Hosni Mubarak, deprimido e acompanhado por sua mulher, que vestia luto, acompanhou ontem pela televisão o primeiro dia das eleições presidenciais no hospital no qual está internado no Cairo, informou nesta quinta-feira o jornal independente "Al Tahrir".

Veja também:

linkEgito realiza seu segundo dia de eleição presidencial

linkOtimistas, egípcios participam de sua primeira eleição presidencial livre

Uma fonte médica, citada pelo periódico, assegurou que Mubarak, de 84 anos, permaneceu em sua cama e que se deprimiu quando viu sua mulher vestida de preto por considerar que ontem foi o pior dia da história de sua família.

Os funcionários do Centro Médico Internacional no Cairo indicaram à esposa de Mubarak, Suzan, que vê-la vestida daquela maneira deteriorou seu estado psicológico, acrescentou o jornal.

Mubarak, de 84 anos, quis seguir o desenvolvimento do pleito pela televisão, mas demorou a convencer seus médicos. "Quero a televisão significa que quero a televisão", lhes disse, segundo o "Al Tahrir".

O ex-chefe de Estado renunciou ao poder no dia 11 de fevereiro de 2011, após 18 dias de revoltas populares e após três décadas no poder. "Depois de mim, nenhum presidente permanecerá no Egito", previu Mubarak enquanto assistia à televisão, segundo a fonte médica citada pelo jornal.

As medidas de segurança se intensificaram nas imediações do hospital onde está internado o ex-chefe de Estado, que também recebeu as visitas das mulheres de seus dois filhos, Alá e Gamal, ambos presos, acrescentou a fonte. Segundo a mesma fonte, os médicos que atendem Mubarak ainda lhe chamam de "al rais" (o presidente) e tratam sua mulher como a primeira-dama.

Está previsto que no próximo dia 2 de junho a corte que julga Mubarak há mais de seis meses pronuncie a sentença por seu suposto envolvimento no massacre de manifestantes e em casos de corrupção.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.