AFP
AFP

Mubarak é condenado à prisão perpétua pela morte de manifestantes no Egito

Dezenas de pessoas partidárias e detratores do ex-presidente egípcio se concentraram no local do julgamento, onde foi registrado um principio de tumulto

Efe,

02 de junho de 2012 | 05h21

Texto atualizado as 06h25

 

CAIRO - O ex-presidente egípcio Hosni Mubarak foi condenado neste sábado, 2, à cadeia perpétua pelo Tribunal Penal do Cairo, que o considerou culpado pela morte de manifestantes durante a revolução que levou a sua renúncia em fevereiro de 2011.

Também foi condenado à prisão perpétua o ex-ministro do Interior Habib al-Adli pela mesma acusação, enquanto seis de seus ajudantes acabaram absolvidos por não haver provas indubitáveis de sua implicação, segundo o tribunal.

 

A Promotoria pedira a pena de morte para Mubarak, acusado de ter ordenado disparos contra os participantes dos protestos que eclodiram em 25 de janeiro de 2011.

 

Por outro lado, a corte, presidida pelo juiz Ahmed Refaat, absolveu Mubarak, seus dois filhos, Alaa e Gamal, e o empresário Hussein Salem, processado à revelia, das acusações de enriquecimento ilícito e danos aos fundos públicos por considerar que esses delitos prescreveram.

 

Mubarak, com óculos escuros e em uma maca, escutou impassível a leitura da sentença.

Houve incidentes depois de lida a sentença, pelo que os agentes de segurança intervieram.

 

O chamado "julgamento do século" no Egito começou em 3 de agosto de 2011, após a detenção de Mubarak e de seus filhos em abril desse mesmo ano na localidade litorânea de Sharm el-Sheikh.

O processo, com um expediente de 60 mil páginas, se desenvolveu ao longo de 49 sessões, que, ao todo, somaram 250 horas, lembrou Refaat.

Tudo o que sabemos sobre:
mubarakegitojulgamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.