Mubarak e ex-ministro do Interior serão julgados em 3 de agosto

Ambos são acusados de ordenar que forças de segurança atirassem contra manifestantes no Egito

Agência Estado

25 de julho de 2011 | 13h06

CAIRO - Um tribunal do Cairo decidiu nesta segunda-feira, 25, combinar os julgamentos do ex-presidente do Egito, Hosni Mubarak, e do ex-ministro do Interior, Habib el-Adly. Ambos irão a julgamento em 3 de agosto, acusados de terem ordenado que a polícia e as forças de segurança disparassem contra os manifestantes. O julgamento de Mubarak, El-Adly e outras seis personalidades do antigo regime foi marcados hoje em uma tumultuada audiência.

 

Veja também: 

especialInfográfico: A revolta que abalou o Oriente Médio

especialInfográfico: A lenta agonia de Hosni Mubarak

lista Arquivo: A era Mubarak nas páginas do Estado

documento Perfil: 30 anos de um ditador no poder

 

O promotor Abdel-Salam Gomaa também decidiu incluir os casos de corrupção contra Mubarak e seus dois filhos, Gamal e Alaa, no mesmo julgamento. Cerca de 850 pessoas foram mortas durante a rebelião popular entre 25 de janeiro e 11 de fevereiro, que derrubou Mubarak.

 

Levar à Justiça os responsáveis pelas matanças de manifestantes e também os acusados de corrupção é uma das demandas mais importantes para a oposição egípcia e os ativistas, que recentemente ampliaram as manifestações contra a junta militar que passou a governar o país após 11 de fevereiro. A oposição acusa a junta de paralisar as acusações contra Mubarak e as figuras do antigo regime.

 

Centenas de manifestantes passaram a acampar na praça Tahrir do Cairo em 8 de julho, exigindo agilidade nos processos judiciais contra Mubarak e os ex-funcionários.

 

Se condenados nas acusações pelas mortes, Mubarak, de 83 anos, El-Adly e outros seis ex-funcionários poderão ser sentenciados à morte. Mubarak está desde fevereiro em prisão domiciliar no resort de Sharm el-Sheikh, no Mar Vermelho. Os filhos do ex-mandatário estão detidos numa prisão do Cairo, enquanto El-Adly já cumpre uma sentença de 12 anos de prisão por corrupção. El-Adly era responsável por uma enorme força de 500 mil policiais, alguns dos quais são acusados das piores atrocidades durante os 29 anos de governo autoritário de Mubarak.

 

O empresário Hussein Salem, um confidente e amigo de Mubarak, também será julgado no caso de corrupção. Salem está foragido na Espanha e as autoridades egípcias pediram a Madri a extradição do empresário. Salem é acusado de usar sua amizade com Mubarak para obter ganhos ilegais no mercado imobiliário, comprando propriedades e terras do governo a preços menores que a média e obter lucrativos contratos de obras estatais sem licitação. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.