Mubarak e ministro iraquiano discutem violência no Iraque

O presidente egípcio, Hosni Mubarak, discutiu nesta terça-feira com o ministro de Assuntos Exteriores iraquiano, Hoshiar Zebari, a situação no Iraque e as medidas para controlar a violência que afeta o país.Segundo a agência oficial de notícias egípcia Mena, Mubarak se reuniu com Zebari, que se encontra em visita oficial à frente de uma delegação iraquiana. Ambos analisaram os esforços realizados para conter a situaçãoiraquiana e evitar que desemboque em uma guerra civil, segundo a agência.Dia violento Em mais um dia violento, ao menos 35 pessoas morreram em vários atentados em Bagdá nesta terça-feira. Há três semanas, a cidade vive uma nova onda de violência sectária. Desde 23 de novembro, cerca de 200 pessoas já morreram em vários ataques. Entre os soldados americanos foram registradas 15 mortes. Um dos ataques ocorreu contra um microônibus que viajava para o norte de Bagdá e deixou ao menos 15 mortos, de acordo com a polícia iraquiana. O veículo, que transportava vários iraquianos de uma comunidade xiita, foi assaltado próximo à mesquita de Al Nidá, no bairro de Al Suleij. A maioria dos passageiros eram funcionários do departamento "Waqf", responsável pelos assuntos religiosos da comunidade xiita. O ataque deixou nove feridos. Já ao sul de Bagdá, a explosão simultânea de três carros bomba deixou pelo menos 15 mortos e 25 feridos, muitos deles gravemente. Os três veículos estavam estacionados próximo a um posto de gasolina no bairro de Al Biá quando explodiram, destruindo vários carros. Após os ataques, escolas e comércios foram fechados por medo de que ocorram novos atentados. No bairro de Al Amel, a oeste de Bagdá, outros dois carros bomba explodiram quase simultaneamente e cinco pessoas morreram. Doze pessoas ficaram feridas nas duas explosões.Soldado morto Um soldado americano morreu no Iraque na segunda-feira em conseqüência da explosão de uma bomba que atingiu o veículo blindado no qual ele viajava, informou nesta terça-feira um comunicado do comando militar dos Estados Unidos.Segundo a nota, o blindado circulava ontem por al-Asnad, em Bagdá, quando explodiu uma bomba, colocada na estrada. O texto não informa o nome do soldado.Com esta morte, já são já 2.893 os soldados americanos que morreram no Iraque desde março de 2003, quando ocorreu a invasão do país por tropas multinacionais lideradas pelos EUA. SuicídioUma mulher iraquiana se suicidou nesta terça-feira depois de receber a notícia da morte do seu filho de 12 anos devido a ferimentos provocados por disparos efetuados por soldados americanos em Fallujah, a 50 quilômetros de Bagdá. A mulher de 37 anos se jogou de uma ponte no Rio Eufrates. Fontes afirmaram que a mulher já havia ameaçado se suicidar caso o filho que foi ferido há duas semanas morresse. O militar teria atirado no garoto depois que seu comboio foi atingido pela explosão de um artefato.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.