Mubarak, ex-ditador egípcio, pode ser condenado à morte

A pena seria dada pela acusação de ter ordenado a morte de manifestantes

Associated Press,

30 de abril de 2011 | 09h05

O ex-ditador egípcio Hosni Mubarak pode receber a pena de morte caso seja condenado de ordenar o tiroteio contra manifestantes durante os protestos que levaram a sua queda. A afirmação é do Ministro da Justiça egípcio Mohammed el Guindi ao jornal Al Ahram. Segundo ele, os dois filhos e a mulher do ex-ditador também são acusados, mas de corrupção. 

Mubarak, de 82 anos, caiu em 11 de fevereiro, depois de 18 dias contínuos de protestos. Ao menos 846 manifestantes foram mortos durante o período em que o país ficou praticamente paralisado. "Se for declarado culpado pela morte dos manifestantes, Mubarak pode receber a pena capital", disse El Gundi. 

A condenação do ex-ditador depende do depoimento do ex-ministro do Interior Habib el-Adly, também sob investigação, que pode confirmar ou não que ordem foi dada por Mubarak, explicou El Gundi. "Em caso de condenação, o único que pode salvar Mubarak da pena de morte é o novo presente. E se eu fosse o novo presidente, não daria indulto a alguém que matou 800 mártires", completou o ministro. 

A eleição para escolha do novo presidente acontecerá em novembro. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.