Mubarak pedirá a Bush que fixe data para Estado palestino

O presidente egípcio, Hosni Mubarak, irá pedir este fim de semana ao seu colega americano, George W. Bush, para determinar um calendário para o estabelecimento de um Estado palestino e o fim do controle por parte de Israel da Cisjordânia e Faixa de Gaza, afirmou um alto assessor do presidente. Bush já fez história ao se tornar o primeiro presidente dos EUA a endossar especificamente um Estado palestino. Mas Nabil Osman, chefe do serviço de informação estatal do Egito, disse hoje que "um prazo final tem de ser estabelecido. Você tem de ter prazos". Pela primeira vez na história "temos um consenso árabe pela paz" e a oportunidade não pode ser perdida com considerações sobre medidas interinas, afirmou Osman a repórteres antes da chegada amanhã de Mubarak. Bush deve se reunir com Mubarak na sexta-feira e sábado. O líder egípcio também conversará na quinta-feira com o vice-presidente Dick Cheney e líderes do Congresso e na sexta-feira com o secretário de Estado Colin Powell e a assessora de Segurança Nacional Condoleezza Rice. Numa breve reação, Bush adiantou hoje que prefere "ouvir ao invés de ler" em jornais o que Barak tem a dizer. Uma alta autoridade dos EUA afirmou não ser segredo que líderes árabes querem que seja levada à frente uma proposta da Liga Árabe que oferece a paz a Israel em troca da retirada israelense de todos territórios ocupados na guerra de 1967, incluindo Gaza e Cisjordânia. Mas a autoridade, que pediu para não ser identificada, explicou que Bush está coletando visões de líderes do Oriente Médio e tomará posteriormente uma posição sobre como levar a questão adiante. Ao mesmo tempo, a administração Bush continua empenhada na realização de uma conferência de paz sobre o Oriente Médio em meados deste ano, segundo a autoridade. Mubarak afirmou ao The New York Times no Cairo que pressionará Bush para que ele apóie a declaração de um Estado palestino no começo do ano que vem e exortará a administração a pressionar Israel e os palestinos para retomarem as negociações. Bush e Powell têm expressado uma visão de paz para o Oriente Médio que contempla Estados israelense e palestino existindo lado a lado. Mas Mubarak pedirá ao presidente para ser mais específico, adiantou Osman a repórteres. Mubarak também proporá que a administração desenvolva "um acordo em princípio" para orientar a conferência internacional sobre a paz no Oriente Médio. Caso contrário, avaliou Osman, a conferência não terá sucesso. E apesar de o Egito apoiar entusiasticamente o pedido da administração Bush de reformas democráticas no movimento palestino, o processo de paz não pode ser postergado, disse Osman. A insistência de Mubarak sobre posições específicas reflete uma crescente impaciência árabe com o ritmo do engajamento americano no conflito árabe-israelense. O que é necessário é "um sério comprometimento em termos de assuntos", pediu Osman. O primeiro-ministro israelense, Ariel Sharon, que se reunirá com Bush depois de Mubarak na segunda-feira, é a favor de que um acordo com os palestinos seja perseguido em etapas - desde que primeiro haja o fim da violência. Mas Mubarak quer que as questões principais sejam tratadas imediatamente, mesmo em meio ao conflito. Atentados suicidas a bomba em Israel são resultado da ocupação israelense da Cisjordânia e Gaza e terão fim quando o Estado judeu se retirar, opinou Osman.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.