Asmaa Waguih/AP
Asmaa Waguih/AP

Mubarak piora e estado de saúde é 'instável', diz canal estatal egípcio

Autoridades anunciaram prisão do ex-presidente egípcio logo após sua internação em Sharm el-Sheikh

Agência Estado

13 de abril de 2011 | 15h29

CAIRO - A saúde do ex-presidente do Egito Hosni Mubarak piorou nesta quarta-feira, 13, informou a imprensa estatal, horas após ele ser internado ao se dirigir a um interrogatório. A agência estatal Mena afirmou que Mubarak, de 82 anos, está sob custódia da polícia em um hospital no Mar Vermelho, e seu estado de saúde é "instável".

 

Veja também:

blog Cronologia: O dia a dia da crise

video TV Estadão:  Alegria nas ruas

blogArquivo: A Era Mubarak no Estadão

lista Perfil: 30 anos de um ditador

especialInfográfico:  A Primavera Árabe

especialInfográfico: A lenta agonia de Mubarak

 

Mubarak e seus dois filhos foram colocados em detenção por um período de 15 dias, em uma investigação sobre a violência das autoridades egípcias contra os manifestantes durante a revolução que forçou a renúncia do presidente. A saúde de Mubarak já era alvo de especulação há anos, mas já havia algum tempo desde que ele apresentasse novas complicações. A nova crise ocorre justamente o momento em que teria início o questionamento do ex-presidente e cerca de dois meses após sua saída do poder.

 

Uma fonte do hospital disse que Mubarak está sob observação. Os dois filhos do ex-líder, Gamal e Alaa, foram transferidos para uma prisão do Cairo na terça. A Reuters diz que, segundo a TV estatal egípcia, Mubarak e os filhos serão levados para interrogatório em uma corte no Cairo na próxima terça, 19. As autoridades já haviam adiantado que o ex-presidente e seus parentes seriam investigados.

 

O procurador-chefe Abdel Maguid Mahmud autorizou as prisões como parte da investigação sobre o uso da força contra manifestantes durante os distúrbios em janeiro e fevereiro.

 

Mubarak renunciou em 11 de fevereiro, após 18 dias de protestos. Acredita-se que as forças de segurança tenham matado centenas de manifestantes nos primeiros dias de protestos, que ocorreram principalmente em volta da praça Tahrir, no centro do Cairo.

 

Mubarak foi hospitalizado em Sharm el-Sheikh na terça, quando teria sofrido um ataque cardíaco enquanto era interrogado por promotores. A Mena informou que a segurança foi reforçada em seu quarto no hospital e que o ex-líder deve ser levado de volta à cela logo que melhorar.

 

Paralelamente, os organizadores dos protestos que derrubaram Mubarak elogiaram as investigações contra o ex-presidente. "Este é um passo positivo e esperamos que ele seja seguido pela libertação de manifestantes presos durante a revolução e depois", disse Shadi Ghazali Harb, líder do movimento jovem Revolução 25 de Janeiro.

 

Com Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.