Khaled Elfiqi/Efe
Khaled Elfiqi/Efe

Mubarak sofre de fibrilação auricular, segundo a Procuradoria Geral do Egito

Ex-presidente está internado desde 12 de abril, quando sofreu um ataque cardíaco

Efe,

26 de abril de 2011 | 13h36

CAIRO - O ex-presidente egípcio Hosni Mubarak sofre de fibrilação auricular - contração espontânea e incontrolada das fibras do coração e que pode provocar uma parada cardíaca -, informou nesta terça-feira, 26, a Procuradoria Geral do Egito.

Em comunicado, o porta-voz da procuradoria Adel El Said afirmou que Mubarak necessita de "uma observação contínua", além de permanecer em uma unidade de terapia intensiva em hospitais com um equipamento adequado e especialistas de alto nível.

"Por isso, atualmente é difícil cumprir com as medidas para sua mudança, por questões de segurança e médicas, até que sua saúde melhore", diz a nota do porta-voz.

O ex-governante está internado em um hospital de Sharm el-Sheikh, no sul da Península do Sinai, desde 12 de abril, quando sofreu um ataque cardíaco durante um interrogatório judicial.

No último dia 22, o procurador-geral Abdelmajid Mahmoud decidiu prolongar por 15 dias a detenção provisória à qual Mubarak, que estava detido desde 13 de abril, estava submetido.

O ex-presidente, de 82 anos, foi visitado nos últimos dias por um médico que deveria determinar se ele podia ser transferido à prisão de Tora, no Cairo, onde estão presos seus dois filhos, Alaa e Gamal.

Investigação

Mubarak e seus filhos, Ala e Gamal, são acusados de abuso de poder e enriquecimento ilícito, assim como de estarem envolvidos no ataque contra os manifestantes durante a revolta popular que culminou em sua renúncia em 11 de fevereiro.

No comunicado, a Procuradoria afirma que recebeu hoje uma mensagem do ministro do Interior, Mansur al Isawii, na qual explica a coordenação que está sendo organizada para cumprir com a resolução do procurador-geral de transferir Mubarak a um hospital militar que disponha de recursos médicos adequados.

Tudo o que sabemos sobre:
EgitoMubarakprotestos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.