Muçulmano acusado de terrorismo alega inocência

Um muçulmano britânico suspeito num suposto plano para explodir aviões a jato em vôos transatlânticos originários da Grã Bretanha, no último verão europeu, reiterou hoje sua inocência. "Sou inocente", afirmou Rashid Rauf aos repórteres em Rawalpindi, uma cidade perto da capital paquistanesa, Islamabad, depois de ter comparecido perante um juiz que prolongou sua prisão até o dia 19 de janeiro. "Peço que o governo paquistanês faça-me justiça", declarou o homem de barba, usando uma tradicional vestimenta paquistanesa. Rauf, que também tem passaporte paquistanês, foi preso em agosto por agentes do serviço de inteligência paquistanês que receberam uma informação de seus colegas britânicos. Na época, as autoridades paquistanesas o identificaram como o principal suspeito no suposto plano terrorista que provocou um alerta de segurança na Grã Bretanha, levando a cancelamentos em massa de vôos com origem e destino no Aeroporto de Heathrow, em Londres.No entanto, em 13 de dezembro um tribunal antiterrorista paquistanês retirou as acusações de terrorismo contra ele. Segundo o tribunal, ele só deve ser responsabilizado pelo fato de possuir material para fabricar bombas e morar no Paquistão sem documentos válidos. Mais tarde, um tribunal de instância superior, atendendo a um apelo das autoridades paquistanesas, suspendeu, até 15 de janeiro, a decisão do tribunal antiterrorista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.