Reuters
Reuters

Muçulmanos britânicos pedem por refém do Estado Islâmico

O grupo radical afirmou, em vídeo divulgado no sábado, que Alan Henning será a próxima vítima britânica caso o Reino Unido continue apoiando a ofensiva militar dos EUA

Estadão Conteúdo

18 de setembro de 2014 | 14h21

Os líderes da comunidade muçulmana do Reino Unido fizeram um apelo, nesta quinta-feira, pela segurança e libertação de um britânico ameaçado de decapitação por extremistas do Estado Islâmico, que é mantido refém na Síria. O grupo radical afirmou, em vídeo divulgado no sábado, que Alan Henning será a próxima vítima britânica caso o Reino Unido continue apoiando a ofensiva militar dos EUA no Oriente Médio.

As lideranças muçulmanas publicaram uma carta aberta num jornal britânico, onde dizem que Henning é uma trabalhador humanitário que foi à Síria para auxiliar vítimas da guerra civil e que qualquer pessoa fazendo esse tipo de trabalho "deve ser elogiada e tida na mais alta estima". Os líderes pedem que o grupo radical tenha pelo refém "alguma misericórdia" e acrescentam que não há qualquer justificativa no Alcorão para as "desprezíveis ameaças" divulgadas no vídeo. Na carta, a comunidade muçulmana também pede a libertação imediata do britânico.

A carta foi assinada pelo líder do Conselho Muçulmano da Grã-Bretanha, pelos chefes das maiores mesquitas da região e por mais de 100 ativistas muçulmanos.

Henning é um ex-taxista de 47 anos da região de Manchester. O britânico foi feito refém no final de dezembro, logo após entrar para um comboio de ajuda humanitária e cruzar a fronteira da Turquia para a Síria.

Britânicos muçulmanos que conheciam o trabalho voluntário de Henning fizeram apelos na internet para sua libertação, ressaltando que sua viagem à Síria não foi motivada por razões políticas, mas sim para fornecer ajuda a vítimas.

Recentemente, o Estado Islâmico divulgou vídeos que registram o momento da decapitação de três reféns, dois jornalistas norte-americanos e o voluntário britânico David Haines. O assassinato de Haines foi anunciado pelo grupo radical um dia após a sua família ter feito um apelo para sua libertação. Fonte: Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.