(CCTV via AP Video, File)
(CCTV via AP Video, File)

Muçulmanos fazem trabalho forçado em campos de detenção na China

Programa de reeducação pelo trabalho do governo força uigures a abdicar do islamismo e jurar lealdade ao Partido Comunista

Chris Buckley e Austin Ramzy, do NEW YORK TIMES, O Estado de S.Paulo

18 Dezembro 2018 | 05h00

KASHGAR, CHINA - Detentos muçulmanos de campos de confinamento no extremo oeste da China debruçados sobre máquinas de costura, fileira após fileira. Eles estavam entre as centenas de milhares de pessoas que foram detidas e passaram mês após mês renunciando às suas convicções religiosas. Agora, o governo os mostrava na televisão como modelos de arrependimento, ganhando bons salários - e salvação política - como trabalhadores de fábricas.

O Partido Comunista da China disse em uma onda de propaganda otimista que uma extensa rede de campos na região de Xinjiang fornece treinamento profissional e colocando os detentos em linhas de produção para seu próprio bem, oferecendo uma fuga da pobreza, do atraso e das tentações do islamismo radical.

Mas evidências crescentes sugerem que um sistema de trabalho forçado está sendo montado dos campos, um desenvolvimento que provavelmente intensificará a condenação internacional aos drásticos esforços da China para controlar e doutrinar uma população de minorias étnicas muçulmanas de mais de 12 milhões de pessoas em Xinjiang.

Relatos vindos da região, imagens de satélite e documentos oficiais previamente não-declarados indicam que um número crescente de detentos está sendo enviado para novas fábricas, construídas dentro ou perto dos campos, onde os presos têm pouca escolha a não ser aceitar empregos e seguir ordens.

“Essas pessoas detidas fornecem trabalho forçado gratuito ou de baixo custo para essas fábricas”, disse Mehmet Volkan Kasikci, pesquisador da Turquia que coletou relatos de detentos nas fábricas entrevistando parentes que saíram da China. “As histórias continuam a chegar para mim”, disse ele.

A China contestou uma indignação internacional contra o vasto programa de internação em Xinjiang, que mantém muçulmanos e os força a renunciar à devoção religiosa e prometer lealdade ao partido. O programa de trabalho em desenvolvimento ressalta a determinação do governo de continuar operando tais campos, apesar dos pedidos de autoridades de direitos humanos da ONU, dos Estados Unidos e de outros governos para fechá-los.

O programa tem como objetivo transformar uigures, cazaques e outras minorias étnicas - muitos deles agricultores, lojistas e comerciantes - em uma força de trabalho industrial disciplinada e de língua chinesa, leais ao Partido Comunista e chefes de fábrica, segundo os planos oficiais publicados online.

Tais documentos descrevem os campos como centros de treinamento vocacional e não especificam se os reclusos são obrigados a aceitar tarefas para fábricas ou outros trabalhos. Mas restrições generalizadas ao movimento e ao emprego de minorias muçulmanas em Xinjiang, bem como um esforço do governo para persuadir empresas a abrir fábricas em torno dos campos, sugerem que eles têm pouca escolha.

Relatos independentes de presos que trabalharam nas fábricas são raros. A polícia bloqueia as tentativas de se aproximar dos acampamentos e monitora atentamente os jornalistas estrangeiros que viajam para Xinjiang, impossibilitando a realização de entrevistas na região. E a maioria dos uigures que fugiram de Xinjiang o fizeram antes que o programa da fábrica crescesse nos últimos meses.

Mas Serikzhan Bilash, um dos fundadores da Atajurt Kazakh Human Rights, uma organização no Cazaquistão que ajuda cazaques étnicos que deixaram a região vizinha de Xinjiang, disse que entrevistou parentes de dez prisioneiros e estes disseram a suas famílias que foram obrigados a trabalhar em fábricas depois de serem doutrinados. nos campos.

Na maioria das vezes, fabricavam roupas e chamavam seus empregadores de “fábricas negras”, por causa dos baixos salários e difíceis condições, disse ele.

Kasikci também descreveu vários casos com base em entrevistas com membros da família: Sofiya Tolybaiqyzy, que foi enviado de um campo para trabalhar em uma fábrica de tapetes; Abil Amantai, 37, que foi colocado em um acampamento há um ano e disse a parentes que trabalhava em uma fábrica de tecidos por US$ 95 por mês; Nural Razila, 25 anos, que estudou perfuração de petróleo, mas depois de um ano em um acampamento, foi enviado para uma nova unidade têxtil nas proximidades.

“Não se trata de fazer uma escolha entre trabalhar em uma fábrica ou para qual fábrica seriam enviados”, disse Darren Byler, professor da Universidade de Washington que estuda em Xinjiang e visitou a região em abril. Ele disse que é seguro concluir que centenas de milhares de detidos podem ser obrigados a trabalhar em fábricas se o programa for implantado em todos os campos de concentração da região.

O governo de Xinjiang não respondeu a perguntas enviadas por fax sobre às fábricas, nem o Escritório de Informações do Conselho de Estado, a agência do governo central encarregada de responder às perguntas dos repórteres.

Os documentos detalham os planos para os presos, mesmo aqueles liberados formalmente dos campos, para assumirem empregos em fábricas que trabalham em estreita colaboração com os campos para continuar a monitorá-los e controlá-los. As meias, os ternos, as saias e outras mercadorias feitas por esses trabalhadores seriam vendidos em lojas chinesas e poderiam chegar aos mercados estrangeiros.

Kashgar, uma área antiga e predominantemente Uigur do sul de Xinjiang que é o foco do programa, relatou que só em 2018 pretendia enviar 100 mil presos que passaram pelos “centros de treinamento vocacional” para trabalhar nas fábricas, de acordo com um plano divulgado em agosto.

Esse número pode ser uma meta política ambiciosa, e não uma meta realista. Mas isso sugere quantos uigures e outras minorias étnicas muçulmanas podem ser mantidos nos campos e enviados para as fábricas. Estudiosos estimaram que cerca de 1 milhão de pessoas foram detidas. O governo chinês não emitiu ou confirmou nenhum número.

“Eu não vejo a China cedendo uma polegada em Xinjiang”, disse John Kamm, fundador da Fundação Dui Hua, um grupo sediado em San Francisco que faz lobby na China em questões de direitos humanos. “Agora parece que temos empresários entrando e tirando proveito da situação.”

A evolução dos campos de Xinjiang reflete o sistema chinês de “reeducação pelo trabalho” pelo qual os cidadãos já foram enviados sem julgamento para trabalhar durante anos. A China aboliu a "reeducação pelo trabalho" há cinco anos, mas Xinjiang parece estar criando uma nova versão.

Imagens de satélite sugerem que linhas de produção estão sendo construídas dentro de alguns campos de confinamento. Imagens de um dos campos apresentados na televisão estatal, por exemplo, mostram de 10 a 12 grandes edifícios com um único andar, um projeto geralmente adotado em fábricas, disse Nathan Ruser, pesquisador do Australian Strategic Policy Institute. Os prédios estão cercados por cercas e torres de segurança, indicando que eles são fortemente vigiados, como o resto do acampamento.

“Parece improvável que qualquer detento possa ir a qualquer prédio para o qual não tenha sido levado”, disse Ruser. Os presos designados para fábricas podem ter que permanecer lá por anos.

Byler disse que um parente de um amigo uigur foi enviado para um “campo de doutrinação” em março e formalmente liberado neste outono. Mas foi-lhe então comunicado que ele teria que trabalhar por até três anos em uma fábrica de roupas.

Um funcionário do governo, disse Byler, sugeriu à família de seu amigo que, se o parente se esforçasse no trabalho, seu tempo na fábrica poderia ser reduzido.

A mídia estatal chinesa elogiou os centros dizendo que eles levam em direção à civilização moderna. Também informa que os trabalhadores são generosamente pagos.

“O treinamento vai transformá-los de 'nômades' em maravilhas qualificadas”, disse o oficial Xinjiang Daily no mês passado. “Educação e treinamento farão deles pessoas modernas, úteis para a sociedade.” / Tradução de Claudia Bozzo

 

Mais conteúdo sobre:
China [Ásia]Islamismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.