Massimo Percossi/Ansa via AP
Massimo Percossi/Ansa via AP

Muçulmanos participam de missas para homenagear padre morto na Normandia

Na Itália e na França, membros das duas religiões mostraram 'mensagem de unidade, além de paz'

Redação, O Estado de S. Paulo

31 de julho de 2016 | 21h26

PARIS - Muçulmanos em várias partes da França e da Itália participaram de missas católicas neste domingo, 31, em um gesto de solidariedade após o assassinato de um padre francês em Normandia por militantes islâmicos.

Armados com facas, os agressores invadiram uma missa na igreja católica em Saint-Etienne-du-Rouvray, oeste da França, em 26 de julho, forçaram o padre católico de 86 anos de idade a ficar de joelhos e contaram a sua garganta. O ataque foi reivindicado pelo Estado Islâmico.

O reitor da Grande Mesquita de Paris, Dalil Boubakeur, que também é o presidente do Conselho Francês da Fé Muçulmana, participou de um culto pela manhã na catedral de Notre-Dame, no centro de Paris, no domingo.

Na Basílica de Saint-Denis, nos arredores de Paris, também se reuniram centenas de católicos, mas também um grande número de muçulmanos e pessoas de outras religiões que apareceram depois que as autoridades religiosas na França pediram à população para expressar solidariedade à comunidade católica.

"Estou muito satisfeito por termos convidado os muçulmanos. Nós também partilhamos a sua dor, a dor de todos aqueles que sofrem, em todos os sentidos", disse Danielle Ludon, uma mulher católica que assistiam à missa, à Reuters. "Os sentimentos expressos foram muito, muito fortes. Alguns deles foram muito comoventes."

Entre aqueles que participaram do serviço estava uma mulher muçulmana chamada Hayat, que veio com seus filhos e marido. "Foi basicamente uma mensagem de unidade, além de paz, foi realmente sobre a unidade", disse ela.

Imãs representando suas comunidades muçulmanas também participaram de missas em muitas cidades e vilas italianas, incluindo Santa Maria de Roma em Trastevere e Santa Maria, em Milão. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.