Muçulmanos protestam contra ofensiva militar

Ativistas muçulmanos protestaram hoje nas ruas de diversos países contra os ataques militares norte-americanos no Afeganistão. Na Indonésia, centenas de ativistas islâmicos entraram em choque com a polícia em frente à embaixada norte-americana em Jacarta. A polícia disparou para cima e utilizou canhões d´água e bombas de gás lacrimogêneo para dispersar a multidão. Várias pessoas ficaram feridas. Os manifestantes sudaneses também se concentraram em frente à embaixada dos EUA. A polícia lançou bombas de gás lacrimogêneo contra um grupo que tentava invadir o prédio da representação diplomática em Cartum, além de deter três pessoas, que mais tarde foram postas em liberdade. Em Marawi, cidade localizada em uma região das Filipinas habitada principalmente por muçulmanos, cerca de 5.000 manifestantes gritavam "Morte aos Estados Unidos" e "Longa vida a Osama bin Laden" enquanto queimavam uma imagem de Bush. Os líderes muçulmanos locais advertiram os norte-americano na região de que eles não estão seguros. Na Malásia, o Partido Islâmico Pan-Malásia acusou Washington de atacar o Afeganistão sem evidências e pediu para que as Nações Unidas declarem os Estados Unidos como um país terrorista. No Egito, vários estudantes universitários do Cairo queimaram bandeiras dos Estados Unidos e de Israel equanto gritavam "Arrogante George Bush, amanhã colherá os frutos de sua guerra".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.