Muçulmanos protestam em Cairo e pedem por lei islâmica

Manifestantes destacam divisão na sociedade com grupos rivais se acotovelando para moldar novo Egito

Reuters

02 de novembro de 2012 | 14h32

CAIRO - Mais de 1.000 muçulmanos protestaram em Cairo nesta sexta-feira e pediram pela implementação da lei islâmica Sharia, destacando as divisões na sociedade com facções rivais se acotovelando para moldar o novo Egito. "Islamiya, Islamiya", gritavam os manifestantes na praça Tahrir, centro da revolta que derrubou Hosni Mubarak após 30 anos de um controle rígido sobre os islâmicos.

O comparecimento na manifestação de sexta-feira foi menor do que o esperado depois de alguns dos principais grupos que defendem a escola ultraconservadora salafista recuarem. Alguns grupos disseram que iriam protestar na próxima sexta-feira.

A Irmandade Muçulmana, que levou o presidente Mohamed Morsi ao poder no início deste ano e que tem uma abordagem menos conservadora, também não estava envolvida no protesto.

Rascunhos da Constituição elaborada pela Assembléia até o momento indicam que haverá mais referências islâmicas do que a constituição anterior, preocupando os egípcios liberais e cristãos, que compõem cerca de um décimo da nação de 83 milhões de pessoas. Eles temem a imposição de restrições sociais.

Tudo o que sabemos sobre:
EgitoCairomuçulmanoslei islâmica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.