Arshad Butt/AP
Arshad Butt/AP

Muçulmanos protestam em embaixadas no Irã e Paquistão

Filme satírico com o islamismo e charges de Maomé revoltam muçulmanos do Irã e do Paquistão

AE, Agência Estado

20 de setembro de 2012 | 10h36

Centenas de paquistaneses indignados com um filme que ridiculariza o Islã entraram em confronto com a polícia na capital do país, Islamabad, nesta quinta-feira. No Irã, dezenas de estudante e clérigos reuniram-se do lado de fora da embaixada da França para protestar contra a publicação de caricaturas do profeta Maomé em uma revista satírica parisiense.

O policial paquistanês Mohammed Iqbal afirmou que mais de 1 mil pessoas estavam na manifestação, a maioria delas estudantes. Imagens da televisão local mostram a polícia utilizando gás lacrimogêneo e cassetetes para tentar manter a multidão longe da área restrita que abriga escritórios do governo e embaixadas. As forças de segurança montaram uma barreira de contêineres para evitar que os manifestantes alcançassem o complexo, onde também está localizada a embaixada dos Estados Unidos.

Em Teerã, capital do Irã, os manifestantes gritavam "morte à França" e "abaixo os EUA" e queimaram bandeiras dos dois países. Os protestos continuam a semana de violência em países islâmicos, onde multidões demonstraram a raiva causada pelo filme produzido nos EUA "A inocência dos muçulmanos". A morte de ao menos 30 pessoas, incluindo o embaixador norte-americano na Líbia, foram em decorrência de manifestações violentas contra o filme.

A publicação dos cartuns na revista francesa Charlie Hebdo na quarta-feira aumentou a tensão entre os princípios de liberdade de expressão do Ocidente e as crenças islâmicas que não toleram insultos dirigidos a Maomé. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
PaquistãoIrãprotestoembaixada

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.