Muçulmanos protestam nos EUA contra ofensiva israelense

Cerca de 5.000 pessoas, na maior parte muçulmanos, protestaram neste sábado, 12, pelas ruas de Washington contra a ofensiva militar israelense no Líbano e para condenar a política externa dos Estados Unidos no Oriente Médio. Os manifestantes, que carregavam bandeiras libanesas e palestinas, começaram a se reunir em um parque em frente à Casa Branca às 13h de Brasília."A ocupação é um crime", gritavam alguns manifestantes, entre eles judeus ortodoxos, que expressavam sua oposição à ofensiva militar de Israel.Vários protestantes chegaram a Washington em ônibus procedentes de outras cidades da costa leste do país.Entre os manifestantes estava o ex-promotor-geral dos EUA Ramsey Clark, que discursou e foi muito aplaudido ao criticar a política externa do presidente dos EUA, George W. Bush. "Conseguimos mais inimigos durante a Presidência de George W. Bush do que no resto de toda nossa história", afirmou Clark.A Polícia de Washington disse que o protesto transcorreu de forma pacífica, embora tenha tido que retirar da rua um pequeno grupo pró-israelense que não tinha permissão para protestar.A manifestação, organizada pela coalizão "Answer" e por vários grupos de árabes e muçulmanos, acontece no momento no qual o gabinete libanês aprovou uma resolução das Nações Unidas que exige o fim das hostilidades entre Israel e Hezbollah.Esta mesma resolução, aprovada de forma unânime pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas na última sexta, será submetida neste domingo a votação no Governo israelense.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.