Mudanças na dieta dos britânicos afetam sua saúde mental

As mudanças que aconteceram nos últimos 50 anos na dieta dos britânicos podem estar relacionadas a um aumento das doenças mentais, segundo um estudo da Fundação de Saúde Mental (FSM) e a organização "Sustain", divulgado hoje.O relatório adverte que a introdução na dieta de conservantes, aditivos e gorduras, que têm efeitos nocivos ao funcionamento do cérebro, pode explicar o aumento de certas doenças como a depressão ou a hiper-atividade.Segundo os pesquisadores, os modernos métodos de produção e processamento de alimentos afetaram sua composição e as pessoas estão consumindo menos nutrientes do que o necessário.Esses métodos industrializados "reduziram a quantidade de gorduras essenciais, vitaminas e minerais consumidos e prejudicaram o equilíbrio de nutrientes dos alimentos".Os pesticidas usados pelos agricultores "afetam a dieta dos animais e alteram a composição de sua gordura", o que fez cair o consumo de ácidos ômega 3 em favor do aumento dos ômega 6, mais nocivos para a saúde.Esta alteração, somada à falta de vitaminas e minerais, está relacionada à depressão, a falta de concentração, a apatia e a perda de cor.Segundo os pesquisadores, uma dieta equilibrada pode ser fundamental para combater a depressão, a esquizofrenia, a hiper-atividade e até mesmo o Alzheimer.Os autores do estudo pedem ao Governo que tome medidas para melhorar os métodos de produção dos alimentos e as práticas agrícolas, e para garantir que as pessoas têm acesso a comida nutritiva a um preço acessível.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.