Mugabe é indicado a reeleição presidencial no Zimbábue

Presidente reafirma liderança no país apesar da crise econômica e social e concorre no pleito de março

Agências internacionais,

13 de dezembro de 2007 | 14h43

O partido do presidente do Zimbábue, Robert Mugabe, o indicou novamente como candidato para o cargo nas eleições de 2008, numa demonstração de que o veterano de 83 anos ainda lidera o partido apesar do colapso econômico atual no país.   Mugabe é tido como pivô da crise econômica no país e é acusado de abuso de poder e de intimidar opositores - o líder da oposição, Morgan Tsvangirai, foi recentemente espancado depois de ser detido pela polícia em uma manifestação. Segundo a BBC, a crise no país teve início quando Mugabe ordenou o confisco de terras de fazendeiros brancos em 2000, deixando em frangalhos uma das economias mais desenvolvidas da África. Hoje o Zimbábue enfrenta uma inflação anual de 1.700%, a mais alta do mundo.   Durante a conferência do partido, todos os 10 representantes ratificaram a candidatura de Mugabe, que lidera o país desde a independência do Reino Unido, em 1980. O atual presidente afirmou que não abandonaria o país nem o partido em tempos difíceis. "Eu não os abandonarei. Cada um é importante para mim. Posso abandoná-los? Não. O bem-estar da população é o meu bem-estar. O sofrimento deles é o meu sofrimento", afirmou.   Mugabe agradeceu a indicação e acusou o Ocidente de continuar com os esforços para isolar o país e desacreditar o atual governo, afirmando que o presidente americano, George W. Bush, e o premiê britânico, Gordon Brown, interferem na política interna do Zimbábue   Interrupções no fornecimento de energia elétrica, falta de água, problemas no abastecimento de suprimentos e inflação recorde são algumas das críticas ao governo de Mugabe. Ele ainda é acusado de ações não democráticas contra os opositores.

Tudo o que sabemos sobre:
ÁfricaZimbábueRobert Mugabe

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.