Mugabe e líder de dissidência da oposição assinam acordo

Governo compartilhado no Zimbábue não incluiria líder oposicionista Morgan Tsvangirai

Reuters,

12 de agosto de 2008 | 18h53

O presidente do Zimbábue Robert Mugabe e o líder de uma dissidência do oposicionista Movimento para a Mudança Democrática (MDC) Arthur Mutambara assinaram nesta terça-feira, 12, um acordo de poder compartilhado e planejam a formação de um governo de unidade nacional, declarou um alto oficial do partido governista ZANU-PF. O acordo não incluiria Morgan Tsvangirai, líder do MDC, continuou a fonte, que afirmou ainda que Mugabe planeja reunir o Parlamento na próxima semana.   O secretário-geral do pequeno grupo oposicionista, porém, negou o acordo. "Nenhum acordo foi assinado por nós", afirmou Welshman Ncube. O presidente sul-africano Thabo Mbeki, mediador das negociações, também negou que o acordo que excluiria Tsvangirai tenha sido assinado, segundo a BBC.   "Nós e o MDC, liderado por Mutambara, assinamos o acordo. Tsvangirai não assinou porque basicamente está tentando nos atrasar, renegociando questões que já havíamos acertado", declarou o oficial do ZANU-PF à agência Reuters. "O presidente (Mugabe) irá formar um governo de unidade nacional, incluindo membros da oposição."   Este acordo pode ser um empecilho nos esforços para terminar a crise política que teve início depois das eleições presidenciais. Mutambara era uma peça-chave nas negociações para o poder compartilhado. Os 10 assentos de sua pequena dissidência do MDC pode balancear o poder de Mugabe no Parlamento.   Mais cedo, após Morgan Tsvangirai deixar o hotel onde acontecia a negociação, os temores de que o diálogo poderia ter chegado ao fim aumentaram, mas o MDC assegurou que as conversas continuavam.   "As negociações não ruíram. Isso é somente uma pausa", explicou o secretário-geral da legenda, Tendai Biti, depois que o opositor deixou o local. Perguntado se havia questões que eles haviam falhado em resolver, o secretário respondeu que "não há nada que não possa ser superado."   Nascido em maio de 1966, Mutambara é um ex-líder estudantil, reconhecido como um dos mais importantes cientistas da África. Após completar seu doutorado da Universidade de Oxford, ele entrou no Instituto de Tecnologia de Massachusetts e se tornou professor em outras universidades americanas, lecionando robótica e mecatrônica.   Em junho, ele foi preso por criticar Mugabe nas eleições presidenciais de março, em um artigo publicado no jornal zimbabuano The Standard. Mutambara acusou o governo de intimidação e questionou sua permanência no poder.     (Matéria atualizada às 21h50)  

Tudo o que sabemos sobre:
Zimbábue

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.