Mugabe não negociará Presidência do Zimbábue com oposição

Partido do presidente zimbabuano exigirá que opositores reconheçam o resultado da eleição, diz jornal

Efe,

25 de julho de 2008 | 16h24

A governamental União Nacional Africana do Zimbábue-Frente Patriótica (Zanu-PF), partido do presidente zimbabuano Robert Mugabe, exigirá que a oposição reconheça os resultados das eleições de 27 de junho, em que o chefe de Estado foi reeleito. Veja também:Estados Unidos ampliam sanções contra o Zimbábue Segundo o jornal oficial The Herald, que cita um dirigente do partido, a direção do Zanu-PF se reuniu na quarta-feira passada e decidiu que não aceitará nenhum acordo com a oposição para a formação de um governo de união nacional que não permita que Mugabe siga na Presidência. O partido do governo e o opositor Movimento para a Mudança Democrática (MDC) estão na África do Sul para discutir a formação de um governo de união nacional que permita que o país saia da crise política. Em Pretória, a Presidência sul-africana confirmou que as conversas entre o partido do governo e a oposição zimbabuano continuam em um lugar ainda não revelado pela África do Sul e, segundo a agência de notícias local Sapa, poderiam chegar a acordos antes de duas semanas. Segundo Mukoni Ratshitanga, porta-voz da Presidência, os negociadores de ambas as partes "estão na África do Sul e ficarão por duas semanas". "Tenho certeza que utilizarão seu tempo com eficácia para assegurar que antes do final dessas duas semanas chegarão a um acordo", comentou Ratshitanga. Enquanto o presidente sul-africano, Thabo Mbeki, considera que um governo de unidade é a única saída para a crise do Zimbábue, outras instâncias internacionais consideram fraudulento o pleito de 27 de junho e exigiram que novas eleições sejam realizadas. Nesta semana, a União Européia e os Estados Unidos endureceram as sanções ao regime de Mugabe.

Tudo o que sabemos sobre:
ZimbábueRobert Mugabe

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.