AP Photo/Tsvangirayi Mukwazhi
AP Photo/Tsvangirayi Mukwazhi

Mugabe sugere voto em nome da oposição no Zimbábue 

Em uma entrevista concedida de forma inesperada na luxuosa mansão do ex-presidente, ele disse que Mnangagwa 'é um bom trabalhador, mas nem sempre foi confiável'

O Estado de S.Paulo

29 Julho 2018 | 22h43

HARARE - Depois de meses recluso, o ex-presidente do Zimbábue Robert Mugabe reapareceu neste domingo, 29, e afirmou que não votará naqueles que o “atormentaram”, dando a entender que seu escolhido para a eleição presidencial do país, realizada amanhã, é o principal candidato da oposição, Nelson Chamisa.

“Pela primeira vez, temos uma longa lista de aspirantes ao poder. Não posso votar em quem não me tratou bem, vou escolher entre os outros 22 candidatos”, acrescentou o ex-presidente de 94 anos, 37 deles no cargo. Abandonado pelos militares, ele foi forçado a deixar o poder em novembro pelo próprio partido, o Zanu-PF. 

+ The Economist: Os erros da política agrária da África do Sul

Demitido por Mugabe do posto de vice-presidente, Emmerson Mnangagwa assumiu o governo e é o favorito nas eleições presidenciais. Deputados e conselheiros municipais também serão eleitos.

Em uma entrevista concedida de forma inesperada na luxuosa mansão do ex-presidente, ele disse que Mnangagwa “é um bom trabalhador, mas nem sempre foi confiável”. Sobre a sua expulsão da Zanu-PF, Mugabe revelou que tinha intenção de renunciar no congresso que o partido realizou em dezembro, no qual apoiaria a candidatura de seu ministro da Defesa, Sydney Sekeramayi. 

“Será difícil votar em uma eleição em cujas cédulas não aparece o meu nome entre os candidatos, mas esta é a realidade”, frisou o ex-presidente. 

Mugabe só tinha aparecido publicamente em 15 de março, quando, em entrevista à emissora pública de televisão sul-africana SABC, afirmou pela primeira vez que sua saída do poder tinha ocorrido mediante um “golpe de Estado”. 

“Depois de anos de imobilismo, os eventos de novembro deram ao Zimbábue a oportunidade de sonhar novamente”, disse Mnangagwa ontem, respondendo indiretamente às declarações do seu antecessor. / AFP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.