Mujica decretará emergência sanitária no Uruguai

O presidente do Uruguai, José Mujica, disse hoje que vai declarar emergência sanitária no sistema hospitalar público do país porque há milhares de intervenções cirúrgicas pendentes por causa da falta de anestesistas, que preferem trabalhar no setor privado.

AE, Agência Estado

14 de dezembro de 2010 | 18h35

Em seu programa de rádio "Fala o presidente", Mujica disse que "provavelmente há cerca de 4 mil operações atrasadas, que se acumulam por causa da falta de pessoal no serviço de anestesia". O site da presidência informa que o estado de emergência será decretado nas próximas horas.

A emergência sanitária permitirá ao governo tomar medidas como o uso de recursos extraorçamentários para a contratação de profissionais e encaminhar pacientes do interior do país para serem atendidos na rede privada. O presidente também não descartou a contratação de anestesistas estrangeiros.

Gustavo Malfato, dirigente da Associação de Anestesistas e Cirurgiões, negou, em declaração aos meios de comunicação, os números apresentados pelo presidente e afirmou que "o que sabemos é que há pessoal de licença". Ele não declarou, porém, quantos pacientes aguardam por uma cirurgia. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
saúdeUruguaiemergência sanitária

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.