Mulá Omar ordena que Taleban resista em Kandahar

O líder supremo do Taleban, o mulá Mohammed Omar, ordenou a seus seguidores que continuem lutando e se tornem mártires na guerra travada no Afeganistão contra a Aliança do Norte e a coalizão liderada pelos Estados Unidos. "A luta começou agora. É a melhor oportunidade para alcançar o martírio", disse o mulá Omar, segundo uma fonte do Taleban que pediu para não ser identificado.A convocação é feita no momento em que forças da Aliança do Norte, que se opõe ao Taleban, e marines norte-americanos se preparam para lançar um ataque contra Kandahar, o último reduto da milícia islâmica no país.As palavras desafiadoras de Omar contrastam com o comportamento do Taleban nas últimas semanas, que fugiu de outras cidades afegãs onde o confronto era iminente. Kandahar, por outro lado, é a sede do movimento Taleban, que tomou o poder no Afeganistão em 1996. Por isso, espera-se que a milícia pretenda resistir aos ataques.DeserçãoApesar das declarações de Omar, há sinais de que líderes do Taleban possam ter desertado. De acordo com fontes da inteligência americana entrevistadas pela Associated Press, Qari Amadullah, um comandante da milícia islâmica, está desiludido com a rápida queda do movimento no país e agora está do lado da Aliança do Norte. Uma outra fonte, porém, disse que Amadullah está negociando sua rendição em Kandahar.John Stufflebeem, porta-voz do Pentágono, disse que há um racha dentro do o Taleban e "que ainda não está certo quantos líderes continuarão a seguir as ordens do mulá Omar". "Alguns comandantes estão negociando a rendição de suas forças. Mas outros podem aceitar as ordens de Omar", afirmou Stufflebeem.Enquanto isso, o vice-ministro da Defesa da Aliança do Norte, Bismillah Khan, disse que forças anti-Taleban chegaram na fronteira leste de Kandahar na quinta-feira à noite e "há um intenso combate se desenrolando no local". Como o Taleban barrou a presença de jornalistas na cidade, as informações de Khan não puderam ser confirmadas e a situação de Kandahar na manhã desta sexta-feira ainda é desconhecida. Mas, segundo refugiados de Kandahar que estão na fronteira com o Paquistão, aviões americanos bombardearam intensamente a cidade na quarta e na quinta-feira.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.