Facebook/Chella Phillips
Facebook/Chella Phillips

Mulher acolhe 97 cães em sua casa para protegê-los do furacão Dorian 

Chella Phillips, que já tinha um abrigo para cães abandonados, também começou a receber mensagens de ódio por não ajudar pessoas

Redação, O Estado de S.Paulo

04 de setembro de 2019 | 17h36

Enquanto os residentes das Bahamas se preparavam para a passagem do furacão Dorian, o mais forte da história da nação insular, Chella Phillips abria sua casa para receber 97 cães desamparados pela confusão causada pela tempestade. 

"Dentro do meu quarto principal estão 79 deles", disse a mulher, no Facebook, no domingo à tarde. "Tem sido insano."

Phillips tomou medidas para tornar o interior de sua casa mais agradável para os animais, colocando música "em todas as direções da casa" e instalando ar condicionado, escreveu ela no Facebook. Vizinhos e estrangeiros doaram caixotes de transporte de cães, que foram úteis para "os assustados e os doentes", escreveu Phillips. Ela não pôde ser encontrado imediatamente para comentar a história na terça-feira.

Quando os cães se estabeleceram em sua casa, Phillips fez uma barricada do lado de fora, de acordo com seu post no Facebook. Dorian, uma tempestade de categoria 5 em movimento lento, matou pelo menos 7 pessoas nas Bahamas e feriu 21, além de demolir casas, arrancar telhados, submergir aeroportos e destruir carros.

Refúgio para cães já tem quatro anos

Phillips dirige um refúgio para cães sem teto e abandonados. O dia em que ela abriu sua casa para os quase 100 animais também marcou o quarto aniversário do refúgio: a Voiceless Dogs ajudou cerca de mil cães desde a sua abertura, escreveu Phillips no Facebook.

Seu post sobre os cães que ela resgatou antes do Dorian se torou viral rapidamente, com mais de 67 mil curtidas e centenas de comentários. Em um segundo post, algumas horas depois, Phillips atualizou seus seguidores, dizendo que todos os cães estavam fazendo amigos.

"Todo mundo aqui se dá bem e recebe os recém-chegados com abanadas, porque eles sabem que são irmãos e irmãs em sofrimento nas ruas", escreveu Phillips. "Cada um dos meus bebês merece ter lares amorosos."

Mensagens de apoio e também de ódio

Usuários do Facebook de todo o país e do mundo correram para os posts de Phillips para oferecer comentários de apoio. "Orando por você e pelas bolas de pêlo e o restante das Bahamas atingido por esse pesadelo", escreveu uma mulher. "O mundo está atrás de você e de seus esforços", escreveu outro.

No entanto, os comentários não foram apenas positivos. Em um post nesta quarta-feira, 4, Phillips comentou estar recebendo diversas mensagens de ódio por ajudar cães e não pessoas. "Por favor, pare de tentar desacreditar meu nome, porque você simplesmente não pode deixar de ser quem você é. O que faço apenas diz respeito aos cães que ajudo e a Deus. Eu não ajudei 97 cães apenas para a tempestade ou apenas por um dia, venho fazendo isso desde sempre com recursos limitados."

Dorian permaneceu nas Bahamas por boa parte do fim de semana. Phillips disse ao canal de notícias WFTS na segunda-feira que ficou sem energia e a água invadiu sua casa até certo ponto, mas que todos os habitantes - humanos e caninos - estavam indo bem.

Ela postou outra atualização no Facebook algumas horas depois, observando que ela e seu irmão passaram "uma noite estressante" tentando combater inundações graves. Todas as suas TVs estavam "fritas" devido aos raios, escreveu ela, o que significava que "não há mais desenhos animados para os cães doentes".

Seu irmão dormiu apenas uma hora e Phillips ficou sem dormir, escreveu, acrescentando que ficou acordada a noite toda para secar a casa e cuidar dos animais "aterrorizados".

Phillips escreveu que é grata pelo "apoio prestado e pelas orações sinceras de tantas pessoas que nem nos conhecem" na sequência de seu post viral. Mas ela gostaria de poder fazer mais: está preocupada com todos os cães que não pôde levar para casa.

"Oro pelas outras ilhas que têm danos inimagináveis ​​e não vejo como algum cachorro ou qualquer ser vivo poderia ter sobrevivido lá", escreveu Phillips. "Meu coração está com eles."

A angariação de fundos online de Phillips para seu refúgio, que ela lançou em agosto e não tem relação com o furacão Dorian, havia levantado cerca de US$ 63 mil na manhã de terça-feira, superando em muito sua meta original de US$ 20 mil. / W. POST 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.