Reprodução/LifeNews.ru
Reprodução/LifeNews.ru

Mulher atira filhos pela janela e é presa na Rússia

Imagens de câmeras de segurança mostram a mulher calma após incidente; ela foi levada a hospital psiquiátrico

26 de junho de 2012 | 12h43

MOSCOU - Uma mulher de 30 anos foi presa em Moscou, capital da Rússia, sob acusação de ter atirado seus dois filhos pela janela do 15º andar do prédio em que mora. As duas crianças, de 4 e 7 anos, morreram antes da chegada de médicos ao local. A informação é do jornal russo LifeNews.ru.

 

De acordo com testemunhas, a mulher, Galina Ryabkova, disse que atirou as crianças porque estava de "saco cheio" delas. O jornal britânico Daily News informa ainda que ela teria decidido "se livrar delas (das crianças)".

 

A ação foi parcialmente registrada no circuito interno de segurança do prédio. As imagens mostram uma das crianças atingindo o solo, no canto do vídeo. Momentos depois, a mãe aparece caminhando pela entrada do edifício calmamente, com uma expressão facial descrita como "sem emoção". Ela tenta deixar o local mas os vizinhos a detêm, como aparece nas imagens.

 

"Eu estava perto da janela e ouvi uma grande batida", disse Tatiana Gumanyova, que também mora no prédio, ao LifeNews. "Não prestei atenção, porque pensei que a criança só tinha tropeçado e caído. Mas então eu ouvi uma nova batida", afirmou.

 

Um outro vizinho disse ao jornal que a mãe estava calma até a polícia chegar. "Minha mulher me acordou e disse que havia crianças caindo. Nós corremos e vimos duas crianças no chão em frente à porta principal, no mesmo momento em que ela estava deixando o prédio. Nós perguntamos se aqueles eram seus filhos e ela respondeu, sem emoção, 'Sim, eu os atirei'".

 

A mulher foi detida pela polícia, que chegou momentos depois. Ela morava no oitavo andar do prédio com as crianças e o marido, que estava fora da cidade em uma viagem a trabalho. Segundo o jornal russo, ela teria subido ao 15º andar para atirar os filhos. Ela foi enviada a um hospital psiquiátrico. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.