Mulher-bomba mata xeque sufi no Daguestão russo

Uma mulher-bomba suicida se explodiu nesta terça-feira na região russa do Daguestão, no Cáucaso, matando o xeque Said Afandi, um líder islâmico sunita russo, informou o Ministério do Interior do Daguestão. O xeque Afandi era um líder islâmico moderado e contra o crescimento do extremismo islamita na região russa, onde parte da população é muçulmana. Além da mulher-bomba e do xeque Afandi, outras quatro pessoas foram mortas no ataque.

AE, Agência Estado

28 de agosto de 2012 | 20h33

"Seis pessoas foram mortas, incluída a suicida", disse o Ministério do Interior do Daguestão em comunicado. Segundo o governo, a mulher se disfarçou de peregrina muçulmana sufi para ter acesso ao xeque Afandi. Afandi era um dos líderes dos muçulmanos sufis, um ramo do Islã que é moderado, pacífico e defende o autoconhecimento. Ele criticava a expansão da seita islamita wahhabi, uma forma intolerante do islamismo praticada pela Arábia Saudita. Nenhum grupo assumiu a autoria do atentado.

As informações são da Associated Press e da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.