Mulher-bomba que não detonou explosivo será enforcada

A Corte de Cassação da Jordânia, máxima instância judicial do país, confirmou a pena de morte na forca contra a mulher iraquiana que planejava um atentado suicida contra um hotel, mas que não conseguiu acionar o dispositivo de explosão.Três cúmplices de Sajida Mubarak al-Rishawi, entre eles seu marido, detonaram as cargas explosivas que levavam presas ao corpo em hotéis da capital, matando 60 pessoas na noite de 9 de novembro de 2005.Segundo fontes judiciais, o Tribunal de Cassação considerou que a sentença pronunciada em 21 de setembro pelo Tribunal de Segurança do Estado "está de acordo com o Direito".Rishawi, de 35 anos, foi considerada culpada de planejar atentados terroristas que causaram a morte de seres humanos.A iraquiana foi detida apenas dois dias depois do atentado. Ela confessou à televisão jordaniana que fazia parte de um comando suicida enviado pelo braço iraquiano da Al Qaeda, dirigida então pelo terrorista jordaniano Abu Musab al-Zarqawi.Rishawi também confessou que sua intenção era se explodir junto a seu marido durante um casamento que era celebrado naquela noite no hotel Radisson SAS, mas o dispositivo de seu cinto de explosivos falhou no último momento.Junto a Rishawi foram julgadas outras sete pessoas à revelia, entre elas o próprio Zarqawi.A condenação à morte na forca não será aplicada até que o rei Abdullah II a ratifique pessoalmente, segundo a lei jordaniana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.