Mulher confessa culpa em fraude envolvendo atentados nos EUA

Uma mulher declarou-se culpada por sua participação na organização de um falso fundo em memória de sua irmã, aproveitando-se dos atentados de 11 de setembro contra Washington e Nova York, informaram promotores federais. Mónica Cerda, de 28 anos, natural de San Antonio, apresentou ontem sua declaração de culpa perante o juiz federal Fred Bieri. Sua sentença deverá ser emitida em 29 de março. Ele pode ser condenada a até cinco anos de detenção. Cerda reconheceu que abriu a conta bancária horas após os atentados e disse que sua irmã morreu intoxicada no World Trade Center, em Nova York. No entanto, sua irmã estava no Texas quando ocorreram os atentados. Um número desconhecido de doadores contribuiu com o fundo, pelo menos um deles pelo correio, depois que uma emissora local de televisão levou ao ar a história, disseram autoridades federais. Posteriormente, o banco congelou a conta e reembolsou os doadores.

Agencia Estado,

26 Janeiro 2002 | 12h18

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.