Mulher dá à luz oito bebês na Califórnia (EUA)

Os médicos realizaram o parto dos sete bebês, cinco meninos e duas meninas, como haviam previsto. Então, veio a oitava criança, o que fez do nascimento não apenas algo fora do comum, mas também histórico. "É fácil esquecer um bebê quando se espera sete", disse o doutor Harold Henry, chefe da unidade fetal e maternal e um dos 46 membros da equipe de médicos, enfermeiros e assistentes que fizeram a cesariana no Centro Médico Kaiser Permanente de Bellflower. "O ultra-som não mostra tudo", disse ele.Foi o segundo nascimento de oito crianças na história dos Estados Unidos. Os médicos disseram que os bebês, com pesos entre 690 gramas e 1,470 quilo, nasceram nove semanas antes do previsto, mas descreveram seu estado de saúde como estável. Dois deles respiravam com a ajuda de aparelhos, mas posteriormente o tratamento pôde ser dispensado. "Os bebês passam bem e a mãe também está bem", disse Henry. Funcionários do hospital não divulgaram o nome da mãe nem disseram se ela usou remédios para fertilidade, mas informaram que ela planeja amamentar todas as crianças. "Ela é uma mulher forte, então, provavelmente conseguirá dar conta das oito crianças", disse o doutor Mandhir Gupta, neonatologista que cuida dos bebês.A primeira vez em que uma única gestação resultou em oito bebês foi em março de 1967, na Cidade do México, mas todas as crianças morreram após 14 horas, segundo a enciclopédia Britânica. O primeiro caso de nascimento de oito crianças deste tipo ocorrido nos Estados Unidos aconteceu em Houston, em 1998. Eles nasceram três meses antes do prazo. O menor morreu uma semana após o nascimento. Os demais fizeram dez anos em dezembro. RiscosO médico Richard Paulson, diretor do programa de fertilidade da Universidade do Sul da Califórnia, disse que os nascimentos provavelmente foram resultado de um tratamento de fertilidade e que as crianças podem enfrentar sérios problemas de saúde. "É uma decisão arriscada tentar ter todos os oito bebês", disse Paulson, que não participou do parto. "Eu não recomendaria isso sob quaisquer circunstâncias, mas eu respeito a decisão dos pais."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.