Mulher de candidato é nova estrela política

Rahnavard luta para eleger reformista

Ali Akbar Dareini, AP, TABRIZ, IRÃ, O Estadao de S.Paulo

30 de maio de 2009 | 00h00

O candidato presidencial Mir Hossein Mousavi esperava nos bastidores enquanto sua esposa esquentava a multidão. Zahra Rahnavard rapidamente provocou um clamor de aprovação,enumerando suas reivindicações de direitos para mulheres e outras reformas. "Amamos você, Rahnavard!", gritavam alunos da Universidade de Tabriz, enquanto Mousavi aplaudia. Embora o casal no poder seja uma figura comum no Ocidente, Rahnavard está reescrevendo o papel de mulher de político no país - nunca da história do Irã dos aiatolás um candidato pôs sua mulher na linha de frente da campanha.Com sagacidade afiada e oratória fluida, Rahnavard, de 64 anos, rapidamente se tornou uma atração por si mesma, além de um elemento importante para a campanha do marido como principal desafiante reformista do presidente Mahmoud Ahmadinejad. E, por causa desse papel, ela tem sido comparada à primeira-dama dos EUA, Michelle Obama. Masoud Heidari, um ativista pelos direitos civis, disse que o país "precisa responder às reivindicações acumuladas das mulheres e Rahnavard está desempenhando um bom papel nessa direção". Ela traz uma mistura rara: o grito liberal que inflama reformistas ao lado de credenciais revolucionárias, a contragosto dos linhas-duras. Mesmo seu modo de vestir agrada a ambos os lados - um chador preto ultraconservador da cabeça aos pés. Homens e mulheres são como "duas asas", disse ela à multidão da Universidade de Tabriz num comício na terça-feira. "Um pássaro não consegue voar com uma asa ou com uma asa quebrada", acrescentou, arrancando aplausos da plateia de estudantes.O voto jovem é considerado decisivo para a campanha de Mousavi superar Ahmadinejad. Os eleitores jovens - particularmente os estudantes universitários - foram a base do movimento reformista do ex-presidente Mohammad Khatami durante seus dois mandatos de 1997 a 2005.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.