Reprodução/Telemundo
Reprodução/Telemundo

Mulher de 'El Chapo' acusa México de transformá-lo no criminoso mais procurado do mundo

Em entrevista à emissora Telemundo, dos EUA, Emma Coronel afirma desconhecer qualquer ligação do marido com o tráfico e diz temer pela vida dele atrás das grades

O Estado de S. Paulo

22 de fevereiro de 2016 | 10h46

CIDADE DO MÉXICO - A mulher de Joaquín "El Chapo" Guzmán afirmou no domingo desconhecer que seu marido seja um narcotraficante, e acusou o governo mexicano de tê-lo convertido no criminoso mais procurado do mundo. "Não estou ciente de que trafique drogas", disse Emma Coronel em uma entrevista exclusiva à Telemundo, uma das redes de televisão hispânicas mais importantes dos Estados Unidos.

Emma considera, no entanto, que a má fama de "El Chapo" foi provocada pelas autoridades mexicanas. "O governo se encarregou de apresentar Joaquín Guzmán como o criminoso mais procurado do mundo, (isso) não significa que ele tenha se convertido no criminoso mais procurado do mundo", explicou.

"Não sei se quiseram fazer isso conscientemente ou para esconder coisas mais importantes, porque me parece bastante exagerada a série de coisas que dizem", afirmou. "Todo o mal que acontece no mundo é culpa de 'El Chapo'", disse irônica.

Emma, de 26 anos, defendeu a todo momento a presunção de inocência de seu marido, que foi recapturado no dia 8 de janeiro depois de permanecer foragido por seis meses. O líder do Cartel de Sinaloa havia conseguido burlar a segurança e abalar o governo de Enrique Peña Nieto ao fugir de uma prisão de segurança máxima em julho de 2015.

"Todas essas coisas que dizem (sobre ele) são meras suposições, porque ele ainda não foi julgado nem condenado, seus crimes não foram comprovados", afirmou a mulher.

A justiça mexicana está finalizando a extradição de El Chapo aos Estados Unidos, onde tem casos abertos em uma dezena de cidades por narcotráfico, homicídio e sequestro.

A mulher do narcotraficante confirmou que as autoridades de seu país nunca a convocaram a depor e negou que Guzmán seja um dos homens mais ricos do mundo, já que desconhece onde está o suposto dinheiro que alegam que ele tem.

Emma disse temer pela vida de El Chapo atrás das grades, já que as autoridades estão tentando se vingar por sua fuga, "estão punindo-o". Além disso, alegou que os funcionários da prisão o colocaram em uma cela fria, vigiada 24 horas por dia e protegida por cachorros.

"Fazem inspeções a cada hora, não o deixam dormir, não tem privacidade para ir ao banheiro, não o levam nem mesmo para caminhar no pátio", explicou. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.