Mulher de ex-dirigente chinês começa a ser julgada

A mulher do ex-dirigente do Partido Comunista da China, Bo Xilai, foi a julgamento hoje por suposto assassinato de um cidadão britânico, em que muitos observadores veem como o julgamento de maior significado político na China em três décadas. As informações foram divulgadas pelo The Wall Street Journal. Bo foi afastado do Partido Comunista por corrupção no ano passado, e está preso em local secreto. O julgamento deverá durar um ou dois dias, e, segundo especialistas jurídicos, ela deverá ser considerada culpada pelo tribunal.

Agência Estado

09 de agosto de 2012 | 01h09

O julgamento de Gu Kailai começou às 8h30, no horário local (21h30 de quarta-feira, em Brasília), disse Zhang Li, um oficial do Tribunal Intermediário da cidade de Hefei, no leste da China.

Centenas de policiais uniformizados e à paisana isolaram o tribunal, em dia chuvoso, na preparação para a audiência de Gu, que é acusada de assassinar o empresário Neil Heywood.

A mídia chinesa informou no mês passado que Gu - juntamente com um empregado doméstico, assessor da família Zhang Xiaojun - foi acusada de envenenar Heywood na crença de que ele teria ameaçado a segurança pessoal de seu filho, Bo Guagua, na sequência de um conflito de "interesses econômicos".

Os relatórios oficiais da mídia não deram detalhes da suposta disputa econômica ou a alegada ameaça da segurança de Bo, contudo, mais detalhes deverão surgir durante o julgamento. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Chinajulgamentoex-Dirigentecomunista

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.